Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/07 15h00 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Filha anuncia medida contra Le Pen, fundador da Frente Nacional, de extrema direita

media Jean-Marie Le Pen, presidente de honra da FN, e a filha Marine, líder do partido, em 2014. AFP/ Valéry Hache

Depois de 48h horas de violentas trocas de farpas políticas e familiares entre Marine Le Pen, líder da Frente Nacional, de extrema-direita, e Jean-Marie Le Pen, fundador da FN, a filha anunciou nesta quinta-feira (9), que vai iniciar um processo disciplinar contra o pai. Em entrevista à TV francesa, ela declarou que ele será convocado diante do conselho executivo do partido.

O estopim da batalha entre pai e filha foram as recentes declarações de Le Pen a um jornal francês. O patriarca, que nunca fez questão de ser politicamente correto, atacou a origem estrangeira do primeiro-ministro Manuel Valls, voltou a falar que as câmaras de gás que exterminaram milhares de judeus e ciganos na Segunda Guerra Mundial foram um "detalhe" da história e defendeu uma "Europa branca".

Na TV, Marine falou de sua “tristeza de filha”, mas “militante” diante da situação. Ela desafiou o pai, deputado eleito pela primeira vez em 1956, “a dar uma prova de sabedoria”, através da aposentadoria, “ou sofrer as consequências dos problemas que ele mesmo tem causado e que podem provocar o fim de suas responsabilidades políticas”.

Busca da normalidade

Para especialistas, colocar na geladeira o co-fundador da Frente Nacional e presidente do partido por mais de 40 anos é uma maneira de que o movimento se consolide na cena política. Segundo o jornal Libération, a decisão da atual presidente do partido pode ser mais um passo para tornar a Frente Nacional um partido “normal e republicano”, sem os extremismos e polêmicas de Jean-Marie.

Questionada sobre a razão de um procedimento disciplinar uma vez que até então ela não se opunha às declarações polêmicas do pai, Marine falou que foi por causa do caráter “recidivista”. A líder da Frente Nacional disse ainda que é contra a candidatura declarada do pai às eleições regionais de dezembro.

Os analistas políticos acham que Marine Le Pen não tinha outra escolha a não ser romper publicamente com o pai. Desde 2011, quando assumiu a direção da Frente Nacional, ela se dedicou a uma intensa campanha retórica para mudar a imagem do partido.

A troca no comando e o ingresso de uma nova geração de militantes transformaram a Frente Nacional, em três eleições (Parlamento Europeu, Senado e departamentais), na terceira maior força política da França, tornando-se uma pedra no sapato do partido UMP, do ex-presidente Nicolas Sarkozy.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.