Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Brasileiros podem ter publicações censuradas pelo Facebook, dizem especialistas

Brasileiros podem ter publicações censuradas pelo Facebook, dizem especialistas
 
REUTERS/Dado Ruvic

Os brasileiros podem passar pelo pente fino do Facebook e ter conteúdo censurado com as novas regras anunciadas pela plataforma. O foco da rede social é especialmente barrar a ação de grupos extremistas e postagens que façam apologia ao terrorismo. Mas, conteúdos violentos e de propagação de ódio também estão na mira do Facebook.

Desde a época da campanha presidencial, os ânimos dos brasileiros se acirraram na internet. Conteúdos ofensivos e postagens agressivas vêm ocupando a timeline dos usuários desde então.

O panelaço contra o governo da presidente Dilma Rousseff e as manifestações contra a corrupção do 15 de março, essencialmente organizadas através das redes sociais, também resultaram em um grande número de publicações, nem sempre simpáticas.

No Facebook e no Twitter, fotos e vídeos mostraram situações extremas durante os protestos, como a agressão de participantes que não vestiam as cores verde e amarela, as ofensas misóginas contra Dilma Rousseff ou manifestantes pedindo a volta da ditadura militar. A troca de ofensas entre partidários de diferentes vertentes políticas também se acentuou.

Terra de ninguém

"O que nós vimos no último dia 15 de março foram discursos de ódio. Esse comportamento vem ganhando espaço dentro das redes sociais. Mas o Facebook não funciona desse jeito", observa o professor do Departamento de História da Universidade Federal de Sergipe, Dilton Cândido Santos Maynard, especialista em ativismo cibernético.

Para Maynard, as novas regras contra conteúdos ofensivos da plataforma visam manter a ideia original de uma comunidade onde as pessoas trocam ideias e não ofensas. "O próprio sentido da expressão 'rede social' sugere troca e respeito mútuo. Se esses dias de terra de ninguém nas redes sociais não acabarão a curto prazo, eles não serão mais facilmente tolerados", prevê.

Liberdade tem limites

O professor e pesquisador da Universidade Mackenzie, Celso Figueiredo, especialista em redes sociais, acredita que a internet traz a falta impressão de liberdade plena aos usuários. "Protegido por trás da tela do computador, o usuário tem um sentimento de liberdade que não é real, de publicar e dizer o que quiser. Isso faz com que ele perca a noção do que é público e o que é privado", analisa.

No Brasil, onde os brasileiros estão acordando para uma maior participação política, Figueiredo prevê uma possível revolta dos usuários caso suas postagens forem eventualmente censuradas. "Ao expressar sua emoção com a sensação de proteção de estar por trás da tela do computador, muitas pessoas exageram na expressão de suas emoções. Ao ter seu conteúdo eliminado, esse ódio pode se virar contra o próprio Facebook", diz Figueiredo.

Segurança nacional

Em seu blog, o Facebook anunciou, na semana passada, a série de novas regras que incluem também restrições a nudez e a imposição da utilização do nome e do sobrenome verdadeiros pelos usuários. A plataforma também avisa que, sob encomenda dos governos, continua realizando relatórios sobre os usuários e o conteúdo que publicam, dentro de sua política de proteção e segurança.

Para Maynard, não restam dúvidas que as redes sociais são pressionadas pelos governos para vigiar e repassar conteúdos que façam apologia ao ódio, a violências e ao terrorismo às autoridades. "É evidente que este tipo de decisão não acontece porque o Facebook é clarividente. Os governos acabaram percebendo as ressonâncias destes conteúdos agressivos", ressalta.

Figueiredo defende o fornecimento de informações da plataforma para os governos. "O Facebook é um canal para capturar novos terroristas. É razoável imaginar que os governos queiram essas informações até por uma questão de segurança nacional", conclui.


Sobre o mesmo assunto

  • Facebook

    Facebook atualiza regras para posts a fim de evitar abusos e extremismos

    Saiba mais

  • Grupo Estado Islâmico/Terrorismo

    Banidos do Facebook, jihadistas lançam sua própria rede social

    Saiba mais

  • Grupo Estado Islâmico

    Twitter tinha 46 mil contas ligadas ao grupo EI no final de 2014

    Saiba mais

  • Twitter/demissão

    Executiva perde emprego ao escrever mensagem racista no Twitter

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.