Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 16/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 16/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 16/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 16/12 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 16/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 16/12 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Premiê francês revela que lia literatura brasileira na infância

media Manuel Valls disse que Brasil é mais do que "música, feijoada e futebol". Presidente François Hollande já tinha visitado o pavilhão brasileiro no sábado. REUTERS/Philippe Wojazer

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, visitou o 35º Salão do Livro de Paris neste domingo (22). De passagem pelo pavilhão brasileiro no evento, o premiê revelou que apreciava a literatura do Brasil na infância.

Com reportagem de Adriana Brandão

Questionado pela RFI Brasil, o socialista disse que não apenas conhece obras brasileiras, como era fã de José Mauro de Vasconcelos, autor de Meu Pé de Laranja Lima.

“Sim, eu lia bastante quando eu era pequeno, inclusive livros infantis da literatura brasileira. E agora vou descobrir quem são os novos autores brasileiros”, afirmou o premiê, ao entrar no estande do Brasil, homenageado nesta edição do evento, um dos maiores do mundo.

O Brasil é o único país a ser celebrado duas vezes pelo salão francês – a primeira vez tinha sido em 1998. Segundo Valls essa ocasião coloca em evidência a parceria estreita entre Paris e Brasília em diversas áreas.

“Já temos laços extraordinários entre o Brasil e a França, começando pelas relações econômicas, mas também relações culturais, a música, os livros. Tivemos muitos autores e artistas brasileiros aqui, como os exilados nos anos 1960 e 1970”, lembrou o primeiro-ministro. “Agora, tem uma nova literatura, novos autores, e o salão é uma ocasião para descobrir este imenso país que é o Brasil. Não é só a música, a feijoada e o futebol: tem também a literatura”, brincou. “O Brasil é um país magnífico, e magnífico também pela sua literatura e a sua poesia – não podemos jamais esquecer.”

A delegação oficial brasileira era inicialmente composta por 48 escritores, mas cinco desistiram de vir a Paris, por motivos pessoais ou profissionais. A seleção dos autores visa mostrar a vitalidade e a diversidade da literatura nacional.

O Salão do Livro de Paris abriu as portas na sexta-feira (20), no centro de convenções da Porte de Versailles, e se encerra em 23 de março. No total, são esperados até 200 mil visitantes são esperados. Além do Brasil, a feira conta com 1,2 mil expositores e 30 mil profissionais da edição de 50 países.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.