Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/09 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

“É um milagre”, diz Fernanda Torres sobre tradução francesa de “Fim”

media A atriz e escritora brasileira Fernanda Torres no Salão do Livro de Paris. Maria Emilia Alencar/RFI

Fernanda Torres integra a delegação de escritores brasileiros que participam do Salão do Livro de Paris, que este ano homenageia o Brasil. A atriz, que deu o pulo da crônica para o romance em 2013, acaba de ter seu livro “Fim” publicado na França pela renomada editora Gallimard. “Um milagre”, exclamou Fernanda Torres em entrevista à RFI.

Fernanda Torres chegou à escrita criando roteiros para o cinema. Há sete anos começou a escrever crônicas para a imprensa. “Esse processo da crônica foi desenvolvendo muito minha escrita, mas o pulo para o romance jamais achei que iria dar”, explicou na entrevista concedida no pavilhão do Brasil, no Salão do Livro de Paris.

Seu romance de estreia, “Fim”, chegou às livrarias brasileiras em 2013 e foi um sucesso. A tradução francesa, assinada por Marine Duval Gallimard, foi publicada pouco antes da abertura da feira parisiense. “Quando chegou a versão da Gallimard lá em casa, eu vi aquela capa clássica e aquela lágrima escorreu. É uma alegria imensa e a maior honra estar aqui”, declarou

Críticas positivas

“Fim” recebeu várias críticas positivas na imprensa francesa. O crítico Frédéric Potet do suplemento literário do jornal Le Monde afirma que a atriz utilizou seu primeiro romance para criticar ferozmente o culto da aparência que se instalou no Brasil.

Fernanda Torres conta que não planejou o livro, mas que ele foi “se escrevendo” e saiu com uma estrutura bem interessante. O romance partiu de um conto, de um pedido do diretor Fernando Meirelles para um projeto de televisão sobre a velhice. “Eu pensei nos cinco minutos finais na morte de alguém. O personagem tinha quatro amigos, e eu pensei em matar os quatro amigos igualmente. Aí o Luis Schwarcz, da Companhia das Letras, me incitou a rechear a história”, explica a atriz.

Rio de Janeiro

O romance narra a história de um grupo de cinco amigos cariocas. Eles relembram as passagens marcantes de suas vidas. “Cinco homens machistas”, segundo a escritora, que foram adultos nos anos 70.

Fernanda Torres afirma que era impossível fazer o livro se passar em outro lugar. “É um romance sobre a tragédia do hedonismo e o Rio de Janeiro é a cidade hedonista por excelência”. A cidade maravilhosa é personagem e parte de “Fim”.

O Salão do Livro de Paris acontece até segunda-feira (23), no parque de exposições da Porte de Versailles.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.