Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Hollande rebate protestos anti-Charlie defendendo "valores" da França

media O presidente François Hollande defendeu neste sábado, 17 de janeiro de 2015, os valores democráticos da França. REUTERS/Ian Langsdon/Pool

Neste sábado (17), o presidente François Hollande comentou as manifestações contra o novo número do jornal satírico Charlie Hebdo, cuja capa mostra o profeta Maomé segurando um cartaz com a frase "Eu sou Charlie". O presidente defendeu a liberdade de expressão que caracteriza a França.

Dez dias depois dos atentados de Paris e na periferia de Montouge, integralmente voltados para a luta antiterrorista e a segurança interna, o presidente francês respondeu às violentas críticas e manifestações em países muçulmanos contra o novo número de Charlie Hebdo.

Em viagem à cidade de Tulle, no departamento de Limousin, no centro do país, Hollande criticou os protestos "contra o ideal e os valores da França", julgando que a defesa das liberdades e da laicidade contribuem "para o brilho do país".

Princípios democráticos

"Estamos vendo que há tensões no exterior, onde a população não compreende o que é o apego à liberdade de expressão", declarou o presidente, analisando que a incompreensão desses povos vem da privação da própria  liberdade. Ele lembrou que a França apoiou diversos desses países na luta contra o terrorismo, mas que os seus princípios devem ser respeitados.

O chefe de Estado espera que depois desses dias marcados pelos atentados, a perseguição de seus autores, o luto e os questionamentos sobre a segurança, a vida "possa continuar"; mesmo se admite que ainda há fortes ameaças.

A França está no nível de alerta máximo contra o terrorismo. Neste fim de semana, a segurança foi reforçada diante das mesquitas e sinagogas.

Detenção prolongada para suspeitos de colaborar com terrorista Coulibaly

As investigações sobre os atentados ocorridos em Paris em 7 de janeiro se concentram neste momento sobre os apoios logísticos que os terroristas receberam durante as operações. A detenção para interrogatório de doze pessoas (presas na madrugada de sexta-feira na periferia parisiense) foi prolongada neste sábado por mais 24 horas. Se for preciso, ainda pode ser prolongada por mais 48 horas.

Oito homens e quatro mulheres estão sendo questionados sobre um possível apoio - como fornecimento de armas e veículos - a Amédy Coulibaly, o autor da chacina e tomada de reféns no supermercado judaico Hyper Casher. O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, informou que os detidos são conhecidos da polícia apenas por crimes de Direito comum.

Enterro dos irmãos Kouachi

Na sexta-feira (16), Said Kouachi, um dos três autores dos ataques, foi enterrado em Reims, no nordeste da França, onde vivia. O nome do cemitério e o local da sepultura não foram revelados para evitar que se torne um local de peregrinagem de extremistas. O seu irmão Chérif será enterrado em Gennevilliers, na periferia da capital.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.