Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

RFI e imprensa francesa se unem em apoio ao jornal Charlie Hebdo

media "Je suis Charlie", (Eu sou Charlie, em português), se tornou o slogan de protesto após o atentado visando o jornal satírico.

A Radio França Internacional (RFI), que faz parte do grupo France Médias Monde, se uniu a outros nomes da mídia francesa para condenar o ataque contra Charlie Hebdo, na quarta-feira (7). Os representantes de diferentes veículos de comunicação garantem que o jornal satírico continuará a sua missão. Leia a declaração comum divulgada nesta quinta-feira (8)

"Je suis Charlie

Ontem, em Paris, o jornal Charlie Hebdo foi alvo de um ataque terrorista.

Doze pessoas morreram, entre jornalistas, policiais e amigos.

Em nome de todos os grupos da mídia na França, enviamos aos nossos colegas, às suas famílias e aos que morreram para protegê-los, assim como toda a equipe de Charlie Hebdo nossos pensamentos mais sinceros. Por meio deles, a liberdade de imprensa e, sobretudo, o espírito de liberdade foram atingidos em seu coração. A imprensa satírica sacode, desperta e agita as consciências. Ela nos convida, pelo humor, a bloquear os sectarismos e os fundamentalismos. Os que morreram ontem traziam o riso para o centro de nossas vidas para nos tornar mais livres.

Mais do que nunca, a liberdade de pensamentos e a liberdade de expressão animam nossa trabalho. Nesse dia de luto, fazemos questão de afirmar que não cederemos nem à ameaça, nem ao terror. Nós não deixaremos o silêncio se instalar e seremos vigilantes para combater todas as formas de estigmas.

A mídia francesa está disposta a colocar à disposição os meios humanos e materiais necessários para que Charlie Hebdo continue vivendo. Todos devemos nos mobilizar para defender a liberdade de imprensa. Continuaremos a defendê-la por eles."

 

Christopher Baldelli (RTL), Christophe Barbier (L'Express), Jean-Paul Baudecroux (NRJ), Pierre Bellanger (SKYROCK), Jérôme Bellay (Le Journal du Dimanche), Nicolas Beytout (L’Opinion), Véronique Cayla (ARTE), Matthieu Croissandeau (L’Obs), Nicolas de Tavernost (M6), Bruno Delport (Nova), Louis Dreyfus (Le Monde), Marc Feuillée (Le Figaro), Mathieu Gallet (Radio France), Etienne Gernelle (Le Point), Emmanuel Hoog (AFP), Jean Hornain (Le Parisien), Patrick Le Hyaric (L'Humanité), Gérard Leclerc (LCP-AN), Gilles Leclerc (Public Sénat), Bertrand Meheut (CANAL+), Francis Morel (Les Echos), Denis Olivennes (Lagardère Active / Europe 1), Nonce Paolini (TF1), Fabienne Pascaud (Télérama), Rémy Pflimlin (France Télévisions), Matthieu Pigasse (Les Inrockuptibles), Dominique Quinio (La Croix), Olivier Royant (Paris Match), Marie-Christine Saragosse (France Médias Monde), Jean-Christophe Tortora (La Tribune), Jean-Eric Valli (Les Indés Radio), Maurice Szafran (Le Magazine Littéraire), Alain Weill (NextRadioTV).
 

 
O tempo de conexão expirou.