Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Em referendo, suíços rejeitam textos sobre imigração, ouro e imposto de estrangeiros

media Funcionários da prefeitura da cidade de Berna contam os votos eletrônicos com um scanner em 30 de novembro de 2014. Reuters/Ruben Sprich

A Suíça não vai limitar imigrantes, aumentar sua reserva de ouro nem cobrar mais imposto de estrangeiros com grandes fortunas que vivem no seu território. No referendo deste domingo (30), a maioria dos eleitores disse não às três questões, rejeitando todas as propostas. Os votos foram feitos em urnas eletrônicas e pela Internet.

Das três propostas apresentadas no referendo, a que teve maior rejeição foi a do Partido Popular Suíço, de extrema-direita, que previa que o Banco Central do país deveria reter no mínimo 20% de seus ativos em ouro, contra 8% atualmente; além disso, a Suíça seria obrigada a nunca vender essas reservas, que hoje correspondem à sétima reserva mundial.

Caso a moção tivesse sido adotada, o Banco Central seria obrigado a comprar, em cinco anos, cerca de 70 bilhões de francos suíços em ouro (cerca de €58 bilhões), equivalentes a 2/3 da produção anual do metal. O Banco fez um apelo aos eleitores para rejeitarem a proposta, o que acabou acontecendo. Estima-se que 78% votaram contra.

Imigração

Outra rejeição forte referia-se à chamada "Ecopop", que sugeria uma cota de imigração que causaria a redução de 75% dos estrangeiros que vivem legalmente na Suíça. Cerca de 74% dos eleitores rejeitaram a ideia.

Não é a primeira vez que os suíços vão às urnas para decidir questões sobre imigração. Em 9 de fevereiro deste ano houve um referendo em que o "sim" venceu, determinando o fim da "imigração em massa" e a reintrodução do sistema de cotas. Na ocasião, o o presidente da Suíça, Didier Burkhalter, chorou na coletiva de imprensa ao comentar o resultado.

Imposto e estrangeiros endinheirados

Finalmente, a terceira iniciativa envolvia o estatuto fiscal para os milionários que vivem no país, em nome da "igualdade fiscal para todos". Como já era esperado, o "não" venceu com 60% de vozes.

Atualmente, os estrangeiros "residentes não domiciliados", ou seja, que moram mas não trabalham na Suíça , não pagam imposto sobre sua renda, mas somente sobre os valores que trazem ao país. Em outras palavras, toda a sua renda no estrangeiro é isenta de imposto. Não é segredo para ninguém que a iniciativa estimula as grandes fortunas do mundo todo a se instalar no belo país dos Alpes cobertos pela neve e dos chocolates deliciosos.

Defensores do "não", os opositores ao texto argumentam que, em caso da vitória do "sim", a Suíça enfrentaria um "buraco" orçamentário com a partida certa dos estrangeiros endinheirados que, perdendo suas vantagens, não veriam mais motivo para ficar.

A Suíça tem oito milhões de habitantes e é dividida em 26 cantões, que têm uma estrutura federal e uma grande autonomia.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.