Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Imprensa critica decisão da Justiça que provocou protestos raciais em Ferguson

media Capa do jornal francês Libération desta quarta-feira, 26 de novembro de 2014.

Os protestos violentos nos Estados Unidos, após a decisão da Justiça de não indiciar um policial branco que matou um jovem negro desarmado, são analisados pelos jornais franceses desta quarta-feira (26). A imprensa francesa toma posição e critica a decisão da justiça americana.

“Injustiça”, essa é a manchete de Libération desta quarta-feira. O diário publica em sua capa uma grande foto de manifestantes negros que saíram às ruas na terça-feira (25), em todo o país, indignados com a decisão do júri de Saint Louis.  O policial branco que matou a tiros o jovem Michael Brown, que estava desarmado, em Ferguson, no estado de Missouri, não será processado.

O reconhecimento pelo júri de que o policial Darren Wilson agiu em legítima defesa foi o estopim para a onda de protestos, alguns violentos. O caso mostra que os Estados Unidos ainda não conseguiram ultrapassar suas divisões raciais.

Ferguson, onde 70% da população é negra e pobre, se transformou na imagem de toda a nação e está a léguas de distância da América pós-racial sonhada por Barack Obama, decreta Libération.

Crimes frequentes

Le Parisien informa que crimes como o de Ferguson acontecem em média duas vezes por semana no país. Apesar de surpreendente, este dado pode ainda estar subestimado. Nenhuma lei americana obriga os policiais a informarem seus crimes, aponta o tabloide.

Entrevistado pelo jornal, um líder do movimento negro americano declara que apesar das cenas de violência, uma nova geração apareceu após a morte de Michael Brown e que seu combate vai se frutificar. “Não deixaremos nenhuma forma de violência atrapalhar nosso combate”, garantiu Cornell William Brooks, presidente da NAACP, a maior organização afro-americana do país.

 
O tempo de conexão expirou.