Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Barack Obama pode sofrer derrota antes da hora

media Barack Obama fez campanha para evitar um bloqueio sistemático de suas reformas no Congresso. REUTERS/Jonathan Ernst

Os jornais franceses desta terça-feira (4) destacam em suas manchetes a eleição de meio mandato nos Estados Unidos. As pesquisas apontam uma virada no Senado, com vitória dos republicanos e derrota da maioria democrata. Se esse cenário se confirmar, a oposição reinará nas duas Casas, e Barack Obama poderá enfrentar um bloqueio legislativo até o final de seu governo.

O jornal Libération considera que uma derrota de Obama a meio mandato não representará, obrigatoriamente, uma vitória dos republicanos na eleição presidencial de 2016. Ronald Reagan e Bill Clinton sofreram a mesma sanção nas urnas, lembra o diário. O que diferencia essa votação, segundo Libération, é que pela primeira vez em muitos anos de política americana, a situação da economia não vai determinar o voto.

O governo democrata tem um bom balanço econômico. A hostilidade do eleitorado se manifesta em relação à personalidade do presidente: "negro, liberal, urbano, Barack Obama representa tudo o que uma parte do país mais detesta", escreve Libération.

Obama é contestado por sua falta de liderança nas crises internacionais, na gestão do ebola e por sua ação tardia contra o grupo Estado Islâmico no Iraque. Somando-se a isso, a desmobilização dos eleitores negros, hispânicos e jovens, a base do eleitorado de Obama, as chances do presidente ficam comprometidas.

Le Figaro evoca a impopularidade de Obama

Le Figaro diz que só uma forte mobilização da base do eleitorado poderia salvar o presidente de uma derrota no Senado. Mas é pouco provável. Com 42% de aprovação, Obama é o presidente mais impopular da história americana, destaca o diário conservador. Ele gastou muita energia para implantar o Obamacare, o sistema universal de saúde, e acabou enfraquecendo a imagem dos Estados Unidos no exterior, com as hesitações na Síria e no conflito entre Israel e Palestina. O surgimento do grupo Estado Islâmico foi a gota d'água.

Americanos insatisfeitos com o Congresso

O jornal econômico Les Echos comenta o descontentamento dos americanos em relação ao Congresso atual. Les Echos entrevista Jeffrey Pollock, do Global Strategy Group. O analista conta que apenas 12% dos americanos aprovam a ação dos congressistas. "A maioria da população tem a impressão de que nada mais é decidido em Washington", diz ele. Os eleitores apreciam a ação dos líderes locais, mas desaprovam os congressistas, resume o pesquisador.

Para o analista, Obama deve se sentir frustrado pelo fato de os eleitores não repercutirem nas urnas a melhora da economia. Mas segundo ele, isso é normal porque "a opinião pública sempre evolui com meses de atraso em relação à realidade".

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.