Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Número de menores centro-americanos que chegam aos EUA dobrou desde 2012

Número de menores centro-americanos que chegam aos EUA dobrou desde 2012
 
Imigrantes ilegais esperam na igreja do Sagrado Coração, em McAllen, no Texas, 27 junho de 2014. REUTERS/Stringer

Desde outubro do ano passado, 57 mil jovens desacompanhados foram parados na fronteira americana com o México. Esse número é o dobro do registrado no mesmo período do ano anterior e assusta as autoridades americanas.

 

Colaboração especial de Rhossane Lemos para RFI

Os jovens têm entre 10 e 15 anos e nasceram na Guatemala, Honduras, El Salvador e México. O percurso da imigração ilegal é longo e perigoso. Eles são entregues por parentes a coiotes e transportados na maioria dos casos em trens ou caminhões de carga até os Estados Unidos.

Segundo conta o professor Eduardo Siqueira , da Universidade de Massachussets, em Boston, logo que são pegos, os menores seguem para centros de detenção onde dormem no chão e são considerados criminosos pela lei americana. “O número de crianças presas se avolumou e elas são colocadas nisso que eu chamo de depósitos. Tem havido uma expulsão dessas crianças da América Central, especialmente por causa do tráfico de drogas”, conta o professor.

Pela legislação americana, esses jovens devem permanecer presos até o julgamento e a quase certa deportação. O Departamento de Segurança Interna americano se apressa para abrir mais centros de detenção.

A pesquisadora e diretora executiva do Centro de Imigração Brasileira nos EUA, Natalícia Tracy, relata que para abrigar os menores temporariamente, o governo pediu auxílio aos estados americanos, mas a maioria se negou a colaborar.

Para Tracy, a maior responsabilidade sobre a imigração ilegal tanto de adultos, e agora especialmente de crianças, é dos EUA. “Eu não vejo os EUA como inocentes ou vítimas. Eles têm essa mentalidade de superpoderosos, com a arrogância de quem faz as coisas e não mede as consequências”, conclui. Ela lembra que há cerca de 30 anos, os americanos interferiram e abasteceram com armas guerras civis na região, como a que aconteceu em El Salvador - um dos fatores que explica a imigração.

Oficiais de imigração e juízes estão sendo realocados em caráter de emergência para agilizar os processos e acelerar os julgamentos no Vale do Rio Grande do Texas, por onde a maioria dos migrantes está entrando ilegalmente.

 


Sobre o mesmo assunto

  • Linha Direta

    UE reage à decisão da Suíça de restringir entrada de imigrantes

    Saiba mais

  • Catar/Imigração

    Anistia denuncia que imigrantes são tratados como “animais” no Catar

    Saiba mais

  • Catar/ONU

    ONU pede que Catar melhore condições de trabalho de imigrantes

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.