Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Balanço da Copa é muito positivo, apesar do vexame da seleção

Balanço da Copa é muito positivo, apesar do vexame da seleção
 
Torcedor alemão segura réplica da taça ao posar para a foto com torcedores brasileiros após a final da Copa do Mundo no Maracanã neste domingo (13). Reuters

A Fifa e o Comitê Organizador Local da Copa farão na manhã desta segunda-feira (14), no Maracanã, um balanço da Copa do Mundo realizada no Brasil. A primeira percepção é de que tudo deu certo e o país passou no teste da organização do grande evento esportivo, apesar das muitas dúvidas relacionadas aos problemas que antecederam o Mundial, como atrasos nas obras dos estádios e problemas de infraestrutura.

Enviado especial da RFI ao Brasil

A catástrofe anunciada nunca aconteceu, seja por problemas de mobilidade urbana ou pelas manifestações. A verdade é que os aeroportos funcionaram corretamente. O próprio presidente da Fifa, Joseph Blatter, disse em um artigo publicado na revista da entidade máxima do futebol que o povo brasileiro está de parabéns e que a Copa no país superou as expectativas.

Em uma breve cerimônia na parte interna do Maracanã, os líderes do Brasil transferiram para a Rússia, em um ritual simbólico, a responsabilidade de organizar o mundial. Num discurso, a presidente Dilma Rousseff falou que a “Copa das Copas”, como ela mesma batizou, só não foi perfeita porque a seleção brasileira não conquistou o sonhado hexacampeonato dentro de casa. E, ao passar a bola para Rússia, disse que o país que vai sediar o mundial em 2018 tem uma cultura especial e rica.

Premiação

Antes mesmo de dar o troféu de campeão aos alemães, a Fifa entregou no Maracanã o prêmio de melhor goleiro do torneio para o alemão Manuel Neuer e a Bola de Ouro da Copa para Lionel Messi. O argentino não conseguiu disfarçar o mal estar ao receber o honroso prêmio, já que ele acabava de deixar o campo após a derrota na final.

A Bola de Prata ficou com o alemão Thomas Müller e o Bronze com o holandês Arjen Robben. Neymar ficou com a Chuteira de Bronze, atrás do alemão Thomas Müller, com a Chuteira de Prata, e o colombiano James Rodriguez com a de Ouro.

A Fifa também elegeu a equipe da Colômbia como a melhor seleção de fair play (jogo limpo, em tradução livre), apesar da entrada dura do zagueiro Zúñiga que tirou Neymar da Copa. O prêmio de revelação jovem do Mundial foi parar nas mãos do francês Paul Pogba, meio campista de 21 anos que se destacou durante o torneio.

Costa Rica, a grande surpresa

Este Mundial igualou o recorde da Copa de 1998, na França, com 171 gols. Ninguém reclama da qualidade dos jogos, já que aconteceram espetáculos do mais alto nível e houve muitas surpresas. A maior delas, sem dúvida, é o percurso da Costa Rica. De saco de pancada do grupo da morte, passou ilesa e só foi cair nas quartas diante da Holanda e nos pênaltis.

Os países do continente americano, de um modo geral, foram muito bem e pela primeira vez a Copa qualificou duas equipes africanas para as oitavas: Argélia e Nigéria.

A tecnologia para confirmar gol foi usada pela primeira vez. Outro destaque foi para a presença marcante de goleiros neste Mundial: além do alemão Neuer, se destacaram o mexicano Ochoa, o argentino Romero e o costariquenho Navas.

Esta Copa também será sempre lembrada pelos brasileiros pelo vexame na semifinal, com a goleada de 7 a 1 para a Alemanha. E outro fracasso foi na disputa pelo terceiro lugar, que ficou com a Holanda depois de aplicar 3 a 0 na seleção.

Adeus a Felipão

A CBF ficou de se pronunciar oficialmente nesta segunda-feira, mas a imprensa brasileira informa que Luiz Felipe Scolari já não é mais técnico da seleção. A decisão teria sido tomada após o fracasso de 3 a 0 para a Holanda no estádio Mané Garrincha, em Brasília. A derrota teria jogado para escanteio qualquer possibilidade de ele continuar à frente do comando técnico da seleção.

Felipão havia dito que a decisão seria da CBF após a Copa, mas sempre demonstrou indiretamente o desejo de permanecer. Diante das derrotas, sua situação parece ter ficado insustentável.

Clique em "Ouvir" para conferir o programa Linha Direta com o enviado especial da RFI ao Brasil.


Sobre o mesmo assunto

  • Copa/Alemanha

    Alemanha bate Argentina por 1 a 0 e conquista quarto título mundial

    Saiba mais

  • Copa do Mundo

    Vandalismo estraga festa argentina pelo vice-campeonato

    Saiba mais

  • Copa/Brasil

    Argentinos invadem Rio de Janeiro para a final da Copa do Mundo

    Saiba mais

  • Brasil/Copa

    Seleção pede desculpas e promete aprender com erros

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.