Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 26/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/09 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

"Todos os Mortos" reaviva o cinema brasileiro em Cannes

media Imagem do projeto de "Todos os Mortos" apresentado em Cannes na "Fábrica de Cinemas". DR

O projeto "Todos os Mortos", de Caetano Gotardo e Marco Dutra, foi selecionado entre 225 projetos para participar da iniciativa "Fábricas do Mundo" durante o Festival de Cinema de Cannes. Apadrinhado pelo diretor Walter Salles, o filme deve ficar pronto em 2015.

A dupla de diretores e amigos, Caetano Gotardo e Marco Dutra, se conheceu na Escola de Cinema da USP e não se perdeu mais de vista. Hoje, com o projeto "Todos os Mortos", abriram dois caminhos: uma residência em Paris no quadro da Cinéfondation, iniciativa do Festival de Cannes que oferece uma residencia para o roteiro ser trabalhado e pesquisado.

A outra porta aberta para o projeto foi a seleção no Festival de Cannes deste ano para participar da "Fábricas de Cinemas do Mundo", que também incentiva e apoia os projetos de jovens diretores que estão realizando o seu primeiro ou segundo longa metragem.

O nome do filme

Caetano Gotardo explica que o nome "Todos os Mortos" tem diversas possibilidades de leitura. O enredo desperta os mortos que temos em nós, pois se trata de um filme de época, passado no século XIX, ele diz, "um passado muito presente ainda na sociedade brasileira, essa carga histórica que ainda é muito viva em nosso país".

Marco Dutra analisa que a família Soares, que protagoniza o filme, não consegue se libertar do passado e compreender que não existem mais escravos nem terras. "Esta forma aristrocrática de pensar e se comportar socialmente ainda tem muito a ver com o Brasil de hoje em que as diferenças de classe estão ligadas às diferenças de raça".

Calendário

O filme ainda está na fase da escrita do roteiro. Marco e Caetano têm trabalhado durante o festival de Cannes e continuam pesquisando para se aprofundar em algumas questões do período do filme e desenvolvendo alguns pontos do roteiro.

Eles trabalham intensamente e esperam ter o roteiro quase terminado em agosto deste ano. No final de 2015 a filmagem deve começar.

 

 

 
O tempo de conexão expirou.