Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/07 15h00 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Presidente francês organiza encontro para discutir raptos na Nigéria

media Manifestação em Paris em favor das estudantes raptadas, com presença de duas ex-primeiras-damas, Carla Bruni-Sarkozy e Valérie Trierweiler. AFP PHOTO / PATRICK KOVARIK

Um mês depois do sequestro de mais de 200 estudantes pelo grupo extremista Boko Haram, o presidente francês, François Hollande, organiza neste sábado (17), uma cúpula para discutir a situação na Nigéria. Além de França e Nigéria, participam líderes dos Camarões, Níger, Chade e Benim, além de representantes dos Estados Unidos e Grã-Bretanha.

A reunião foi um pedido do presidente nigeriano, Goodluck Jonathan. O objetivo é traçar uma estratégia regional contra os extremistas muçulmanos. A França quer estimular os vizinhos da Nigéria a cooperar com Abuja na luta contra o Boko Haram.

O presidente nigeriano vem sofrendo pesadas críticas internas e internacionais por sua reação tardia à crise das estudantes. Um vídeo divulgado pelo grupo muçulmano no último dia 5, no qual o líder Abubakar Shekaku ameaçava tratar as meninas raptadas como “escravas”, gerou indignação mundial.

Fontes próximas ao presidente Hollande afirmam que a iniciativa não é para discutir uma intervenção militar ocidental contra o Boko Haram. Mas paralelamente, Paris, Londres, Tel Aviv e Washington já enviaram especialistas, principalmente militares, e aviões de reconhecimento para ajudar o governo nigeriano na busca das estudantes.

Os Estados Unidos, que consideram a Nigéria como um “parceiro estratégico”, se alarmam, assim como a França, diante da ameaça extremista que o grupo pode espalhar pela região. O Boko Haram foi incluído em novembro de 2013 na lista norte-americana de “organizações terroristas estrangeiras”. Washington oferece uma recompensa de sete milhões de dólares pela captura de Abubakar Shekaku.

No total, 223 adolescentes continuam desaparecidas. Em um vídeo divulgado nesta semana, o Boko Haram afirma ter convertido cerca de 130 dessas jovens ao islamismo.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.