Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 17/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 17/11 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 16/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 16/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 16/11 14h00 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

No ano da Copa, racismo envergonha futebol brasileiro

No ano da Copa, racismo envergonha futebol brasileiro
 
Meia cruzeirense Tinga é recebido pela presidenta Dilma Rousseff REUTERS/Ueslei Marcelino

Neste ano de Copa do Mundo, o Brasil que por tanto tempo se pretendeu pós-racialista, um éden étnico em que a discriminação não tem espaço, se vê ainda longe de erradicar o racismo não só da sociedade, mas dentro de seu território mais sagrado: o campo de futebol.

Episódios recentes envolvendo o volante santista Arouca, o meia do Cruzeiro Tinga e o juiz Marcio Chagas da Silva mostram que ainda vivemos um problema racial sério no futebol onde, teoricamente, só a técnica importa. Mas Arouca e Tinga têm uma característica em comum que atiça a ira dos racistas: o orgulho expresso de suas raízes africanas.

100% negros

"Ambos têm uma imagem que é o estereótipo do negro", observa o professor Marcel Diego Tonini acerca dos cabelos de Arouca e Tinga. "Eles ão alvos mais fáceis do que aqueles negros que tentam disfarçar as origens, disfarçar as marcas negróides. A afirmação da negritude deles é uma afronta para os torcedores racistas", afirma.

O caso de Marcio Chagas é mais literal - pela própria ausência de negros em cargos importantes no futebol, há uma dificuldade em reconhecer um afrodescente em uma posição de autoridade. No dia 5 de março, depois de apitar um jogo entre Esportivo e Veranópolis pelo campeonato gaúcho, o árbitro encontrou seu carro depredado e coberto de bananas, no estacionamento privativo do estádio do Esportivo.

Punição branda

Julgado STJD, o clube perdeu cinco mandos de campo e foi multado em 30 mil reais. Uma pena branda, se considerarmos a tipificação do crime de racismo na Justiça comum. Esse tipo de distorção, na opinião de Tonini, deve-se ao baixo empenho das entidades do futebol em combater a discriminação.

"Todas as entidades máximas do futebol trabalham de maneira protocolar. Haja vista o caso do Tinga em que, até hoje, a CONMEBOL não deu uma punição, não se pronunciou oficialmente". Estes três casos e outros nem sempre tão escancarados mostram que, no ano da Copa, o Brasil ainda tem muito o que fazer para expulsar o racismo de campo.

 


Sobre o mesmo assunto

  • Futebol/Salários

    Neymar é o terceiro jogador mais bem pago do mundo, segundo revista francesa

    Saiba mais

  • Futebol/polêmica

    Após gesto polêmico, Anelka pode pegar até 5 jogos de suspensão

    Saiba mais

  • Brasil/ Justiça

    Joaquim Barbosa sobre o racismo: diplomacia brasileira “é muito discriminatória”

    Saiba mais

  • Twitter/demissão

    Executiva perde emprego ao escrever mensagem racista no Twitter

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.