Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Suspeita terrorista para sumiço do avião é cada vez mais distante, diz Interpol

media Fotomontagem mostrando os dois homens que embarcaram no voo da Malaysia, usando passaportes falsos. REUTERS/Malaysian Police/Handout via Reuters

O secretário-geral da Interpol, Ronald K. Noble, declarou nesta terça-feira (11), à imprensa, que “a pista terrorista” era cada vez mais remota, a respeito do desaparecimento do Boeing 777 da Malaysia Arlines. O voo MH370 sumiu com 239 pessoas a bordo, no sábado, durante trajeto Kuala Lumpur-Pequim.

“Trata-se de tráfico humano”, acrescentou Noble, em referência à presença a bordo do avião de pelo menos duas pessoas com passaportes europeus roubados. “Temos cada vez mais certeza de que essas duas pessoas não eram terroristas”, disse.

A Interpol, com sede em Lyon, na França, informou que os dois passageiros com passaportes austríaco e italiano roubados são iranianos. Eles viajaram de Doha a Kuala Lumpur com seus passaportes iranianos. Os documentos iranianos de Pouria Noor Mohammad Mehrdad, de 19 anos, e Delavar Seyed Mohammadreza, de 29, não foram declarados como roubados e não tinham registro na base de dados da Interpol.

A polícia tailandesa, por sua vez, indicou que um suposto coiote iraniano de imigrantes ilegais, conhecido como “Sr. Ali”, teria organizado a compra dos dois bilhetes de avião em nome dos europeus. As passagens foram emitidas por uma agência de viagem em Pattaya, balneário ao sul de Bancoc, capital tailandesa. O Sr. Ali viveria na Malásia e teria laços com uma rede especializada na passagem de clandestinos do Oriente Médio em direção à Europa, através de outros países.

Segundo um oficial tailandês, a suspeita é de que os passaportes europeus teriam sido roubados por uma gangue de tráfico humano que enviava pessoas para trabalhar em outros países, como a Europa.

Estreito de Malaca

Militares da Malásia acreditam que o avião voou por mais de uma hora após desaparecer das telas do controle de tráfego aéreo, alterando sua rota e viajando para oeste, sobre o Estreito de Malaca, segundo uma fonte militar graduada.

O Estreito de Malaca, um das mais movimentadas rotas marítimas do mundo, separa a parte continental da Malásia (e também Cingapura) da ilha indonésia de Sumatra.

Depois de inicialmente concentrar as buscas no mar do Sul da China, a Malásia ampliou a operação de busca do avião para o Estreito de Malaca.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.