Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/03 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/03 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/03 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/03 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/03 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/03 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/03 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/03 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Cinderela brasileira é tema de ópera-balé na UNESCO, em Paris

Cinderela brasileira é tema de ópera-balé na UNESCO, em Paris
 
Ópera-balé "Cinderela do Brasil" tem estreia mundial na UNESCO. Divulgação

A ópera-balé “Cinderela do Brasil” surgiu de um encontro de amigos brasileiros na França e o resultado, seis meses depois, estreou nesta quarta-feira (5), na sede da UNESCO, em Paris, com casa lotada. A criação, assinada por Ila Herbert, fala de uma Cinderela brasileira, nos dias de hoje, moradora de uma favela no Rio. O príncipe encantado é um jogador de futebol da seleção brasileira. O grande baile em que os dois se encontram se transformou no desfile das grandes escolas de samba, no Sambódromo.

“A inspiração vem do balé de Serge Prokofiev, adaptada a 2014”, conta Ila Herbert. “A Cinderela é uma carioca, acho que isso representa bem a jovem brasileira, e o príncipe tem até blog”, acrescenta. “São 90 pessoas no palco: 70 crianças e 20 dançarinos profissionais de vários países”, explica Antonio Cançado de Araújo, envolvido na produção desde a concepção do projeto.

Funk e bossa nova

A direção musical ficou a cargo de Jaci Toffano. “O primeiro grande desafio foi adaptar a obra de Prokofiev para esse formato, para essa peça específica e para um conjunto de música de câmara”, ela explica. “Mas o segundo desafio mais interessante e vivo foi a liberdade de criar e misturar elementos brasileiros ao som de Prokofiev, como o funk e a bossa nova”, acrescenta Jaci.

A parte do balé foi criada pelo argentino Guillermo Serafini. “Eu me inspirei no balé clássico, nos contos de Charles Perrault, tudo com um toque de modernidade, o que dá um lado atual à Cinderela do Brasil”, conta o coreógrafo, que também encarna o príncipe encantado. A heroína da historia é vivida pela americana Quincy Childs.

Cinderela do Brasil é uma criação da associação La Clef Enchantée, que trabalha com a iniciação infantil à musica e a descoberta do mundo da ópera e dos grandes clássicos. O livreto que acompanha o espetáculo, com um CD, tem três versões: português, francês e inglês.

A personagem Cinderela vem de um conto popular que tem raízes na Antiguidade e que ganhou popularidade com as versões do francês Charles Perrault, em 1697, e dos irmãos Grimm, de 1812. O compositor russo Serguei Prokofiev criou o balé Cinderela entre 1941 e 1944.

 

 

 

 

 

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.