Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Secas repetidas podem transformar Amazônia em poluidora

Secas repetidas podem transformar Amazônia em poluidora
 
Floresta Amazônica, em Manaus. LecomteB/Wikimedia Commons

A seca pode fazer a Amazônia se transformar em uma gigantesca fonte de emissões de dióxido de carbono, um dos principais gases de efeito estufa. Um estudo realizado por um grupo internacional de pesquisadores, com a participação do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN), observou que as chuvas interferem mais do que a temperatura na capacidade da Floresta Amazônica absorver gás carbônico.

Os cientistas estudaram a entrada e a saída de gases da floresta nos anos de 2010, marcado por uma seca histórica, e 2011, com volume de chuvas acima da média. A pesquisa contou com voos regulares em quatro áreas da Amazônia, em diferentes altitudes, para coletar amostras do ar.

A conclusão foi que em um ano normal, com bastante chuvas, a floresta quase não emite gases. Mas quando a seca é intensa, a situação se torna dramática, como explica Luciana Gatti, a principal autora do estudo, publicado na revista científica Nature.

“A vegetação entrou em extremo estresse e diminuiu a fotossíntese. E quando a planta entra em estresse por falta de água, a relação respiração-fotossíntese fica desequilibrada”, afirma. “Ela começa a fazer menos fotossíntese do que respiração, ou seja, ao invés de acumular gás carbônico, ela elimina mais.”

Queimadas pioram o quadro

Luciana lembra que as queimadas têm um papel importante nesta situação, uma vez que se alastram por mais regiões quando o clima está seco. “O fogo é uma das etapas do manejo dos pequenos agricultores. E com uma seca muito intensa, essas queimas ficam incontroláveis.”

Se por lado, a notícia boa é que 2010 foi um ano excepcionalmente seco, por outro a pesquisa alerta sobre os riscos do aumento dos fenômenos extremos para a Amazônia. Os climatologistas advertem que uma das principais consequências das mudanças climáticas é o desequilíbrio das estações, com a ocorrência de calor, frio, chuvas ou secas incomuns.

“No cenário geral, as precipitações na Amazônia estão com tendência de aumento. O problema é que os eventos extremos também estão aumentando, e se a freqüência disso piorar, haverá um impacto significativo sobre a floresta”, destaca.

Nos últimos 10 anos, houve a ocorrências de duas secas anormais na Amazônia, em 2005 e 2010. Apesar de várias regiões do Brasil estarem sofrendo com o problema neste verão, por enquanto a situação está normal na maior floresta do planeta.
 


Sobre o mesmo assunto

  • Floresta Amazônica

    Floresta Amazônica tem 390 bilhões de árvores, revela recenseamento inédito

    Saiba mais

  • Fato em Foco

    Índios Yanomami ainda são perseguidos por garimpeiros, 20 anos após massacre

    Saiba mais

  • Meio Ambiente

    Dados preliminares indicam aumento do desmatamento na Amazônia

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.