Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Aspirina pode reduzir risco de câncer?

Aspirina pode reduzir risco de câncer?
 
Bayer

Novos estudos realizados no Reino Unido relançam o debate sobre o uso da Aspirina como ferramenta de luta contra o câncer. As pesquisas mostraram os bons resultados do medicamento na prevenção do desenvolvimento de tumores, mas também na diminuição de metástase entre os pacientes doentes. No entanto, os especialistas alertam para os riscos do uso indiscriminado do medicamento, que também pode desencadear graves efeitos colaterais.

Os pequenos comprimidos brancos feitos a base de ácido acetilsalicílico, obtidos em sua origem a partir da casca de salgueiro, quando combatiam as inflamações de nossos antepassados no Egito Antigo, se mostraram mais uma vez eficazes. Se durante muito tempo, graças à sua função analgésica, antitérmica e antiinflamatória, a aspirina foi indicada apenas para o alívio de dores diversas (cabeça, músculos, garganta, febres...), ou ainda, por refinar o sangue e aumentar o tamanho de artérias e vasos capilares, também ajudou nos tratamentos cardiovasculares e na prevenção de alguns tipos de acidentes vasculares cerebrais, vários cientistas se interessam há anos por sua eficácia na luta contra o câncer.

O professor Peter Rothwell, da Universidade de Oxford, no Reino Unido, é o autor de diversos estudos sobre o assunto. Em uma dessas pesquisas, ele constatou uma queda de 37% no índice de mortalidade por câncer após cinco anos de uso de pequenas doses de Aspirina, além da redução de 36% no risco de metástase entre os pacientes doentes. Uma queda que pode atingir 46% em caso de câncer colorretal, do seio, da próstata e do pulmão. Já o professor Jack Cuzick, diretor do centro de prevenção do câncer a Escola de medicina Barts, em Londres, acaba de preparar, junto com um grupo de peritos internacionais, uma série de recomendações sobre o tema.

No entanto, como lembra o médico Fernando Maluf, chefe do Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes da Beneficência Portuguesa de São Paulo, que acompanha atentivamente as pesquisas sobre o assunto, ainda é cedo para falar de cura e esse método de prevenção funciona apenas para alguns tipos de câncer. Além disso, o uso de aspirina por um período prolongado pode ter vários efeitos colaterais negativos, como irritação do estômago e intestino, provocando azia, vômitos, sangramentos internos, úlceras e até perfurações graves no sistema digestivo.


Sobre o mesmo assunto

  • OMS/Câncer

    Pesquisa da OMS reconhece que poluição pode causar câncer

    Saiba mais

  • Saúde

    Justiça indiana rejeita patente de remédio contra câncer da Novartis

    Saiba mais

  • Evolução Inovação

    Aspirina pode ajudar a prevenir casos de câncer, diz estudo

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.