Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Aquecimento de oceanos faz peixes trocarem de habitat

Aquecimento de oceanos faz peixes trocarem de habitat
 
Salmão antes era encontrado em Portugal, mas agora só se concentra no norte da Europa. Wikipédia

O aquecimento dos oceanos está fazendo com que os peixes se desloquem para as regiões mais frias do globo, nos polos, para sobreviver. As espécies mais atingidas são as de zonas tropicais, onde a temperatura em elevação das águas está se tornando insustentável para a fauna marinha. Enquanto isso, os peixes que já vivem no polos não teriam para onde fugir e correm o risco de desaparecerem nos próximos séculos, se a tendência de aquecimento global permanecer.

O último estudo sobre o tema, publicado na revista Nature por pesquisadores canadenses, mostra que os pescadores do hemisfério norte estão cada vez mais surpresos com a variedade incomum de peixes que têm aparecido nas redes. Ao mesmo tempo, outras espécies que antes eram abundantes têm se tornado raras.

Pesquisadora do Centro de Oceanografia da Universidade de Lisboa, onde é professora da Faculdade de Ciências, Isabel Domingos lembra o caso do salmão, que antigamente era encontrado no norte de Portugal e hoje quase desapareceu da região. Ao mesmo tempo, o sargo do Senegal, da costa africana, agora é comum no país. Isabel ressalta que as alterações climáticas também afetam as correntes marítimas, que podem atrapalhar a reprodução dos peixes:

O estudo do pesquisador canadense Dan Pauly mostra que a temperatura média das áreas de pesca subiu 0,19ºC por década entre 1970 e 2006. O professor da Faculdade de Oceanografia da UERJ David Zee, especialista em Oceanografia Costeira e Impactos Ambientais em Ecossistemas Urbanos-Costeiros, comenta que as mudanças climáticas são um fenômeno gradual, mas nem sempre a natureza tem tempo para se adaptar.


Sobre o mesmo assunto

  • Meio Ambiente

    Acordos internacionais não impedem recorde de CO2 na atmosfera

    Saiba mais

  • Meio Ambiente

    Derretimento da Antártica pode ter sido menor do que se pensava

    Saiba mais

  • Meio Ambiente

    Mudanças climáticas podem reduzir 68% das regiões produtoras de vinho na Europa

    Saiba mais

  • Europa/ meio ambiente

    Proteção da indústria causa veto europeu a proposta para mercado de CO2

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.