Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Presidente do Equador, Rafael Correa, é reeleito no primeiro turno

media O presidente do Equador, Rafael Correa, foi reeleito neste domingo, 17 de fevereiro de 2013. Reuters

As pesquisas de intenção de voto foram confirmadas. O presidente Rafael Correa foi reeleito com larga margem à frente dos seus opositores. Este será o último mandato de Correa, um dos líderes da esquerda latino-americana, que se popularizou utilizando os ganhos do petróleo para ajudar os equatorianos mais pobres.

 

Rafael Correa foi reeleito para um terceiro mandato com 61% de votos, segundo as primeiras pesquisas, com larga margem diante do seu adversário, o ex-banqueiro Guillermo Lasso, que obteve 21% de vozes. Ele proclamou sua vitória no fim da tarde de domingo, mostrando-se disposto a iniciar o seu novo mandato de quatro anos.

No poder desde 2007 e reeleito em 2009, depois da adoção de uma nova Constituição, Correa foi beneficiado pela divisão da oposição, que apresentou sete candidatos diferentes.

Representante da esquerda latino-americana que se implantou em diversos países, Rafael Correa construiu a imagem de um homem próximo do povo, sem hesitar a enfrentar poderosos grupos petrolíferos e investidores de Wall Street. Contando com as riquezas do solo do seu país, ele realizou uma série de reformas na previdência social, desenvolvendo o sistema de reembolso de despesas com a saúde, construindo escolas e renovando as estradas.

Se os seus partidários elogiam sua capacidade de manter a estabilidade política no país, seus opositores criticam sua atitude com as petrolíferas e os investidores estrangeiros, alvos de impostos e taxas pesadas e à mercê de mudanças constantes na política fiscal. O contexto não encoraja os investimentos estrangeiros diretos, que representam menos de US$1 milhão por ano.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.