Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Hillary Clinton se despede do comando da diplomacia americana

media Hillary Clinton em discurso na véspera de deixar do cargo de Secretária de Estado dos EUA. REUTERS/Yuri Gripas

Esta sexta-feira é o último dia de trabalho da secretária de Estado americana Hillary Clinton. Ontem, em seu discurso de despedida, Hillary falou sobre os desafios da diplomacia americana. O futuro da democrata é incerto, mas muitos apostam que ela pode ser candidata à sucessão de Obama em 2016.  

*Colaboração da correspondente da RFI em Washington Raquel Krähenbühl

Em suas últimas palavras à frente da diplomacia norte-americana, Hillary Clinton evocou a supremacia dos Estados Unidos dizendo que o país ainda é o único capaz de resolver problemas em uma escala global. “Nós não podemos fugir dessa responsabilidade“, afirmou.

Hillary lembrou que o país precisa construir um “poder inteligente” em um mundo onde os níveis de influência mudam rapidamente. Para a secretária de Estado, os diplomatas americanos precisam trabalhar junto com empreendedores e ativistas, usar novos instrumentos tecnológicos, como as redes sociais, e atualizar as instituições globais e regionais que tem dominado as relações externas desde a Segunda Guerra Mundial.

“Nós precisamos de uma nova arquitetura para uma nova ordem mundial, mais como Frank Gehry do que a clássica grega (…). Uma vez colunas fortes podiam suportar o peso do mundo, hoje é necessária uma mistura dinâmica de materiais e estruturas”, explicou.

Nesses quatro anos conduzindo o Departamento de Estado, Hillary revigorou a reputação dos Estados Unidos no mundo, desgastada com as guerras do Iraque e do Afeganistão. Ela mudou a maneira de fazer diplomacia, visitou mais países (112) e usou mais milhas do que qualquer diplomata americano.

Pendências

No entanto ainda ficaram pendências. Para o próximo secretário, o ex-senador John Kerry, o primeiro teste vai ser a questão nuclear iraniana. Também continuam no topo da lista a guerra civil na Síria, que já dura quase dois anos, os confrontos em Mali, e os conflitos entre Israel e o mundo árabe. Hillary lembrou que o mundo continua um lugar perigoso e que os desafios agora são mais complexos.

Esse foi o último discurso de Hillary como Secretária de Estado. Daqui para frente, ela pretende continuar falando em conferências, escrevendo, trabalhando para promover a igualdade das mulheres e os direitos das crianças e ainda ajudar na fundação do marido, o ex-presidente Bill Clinton.

Hillary vem insistindo que agora vai ficar fora da política e que não tem planos de concorrer a presidência. Mas, com uma taxa de aprovação maior do que a do presidente Barack Obama, muitos americanos, pelo menos os democratas, esperam que esse não seja um “adeus”, mas sim um “até 2016”.

Por hora, Hillary - que trabalha desde os 13 anos - conta que não vê a hora de acordar na segunda-feira sem uma agenda de compromissos.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.