Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/07 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/07 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Siderúrgicas japonesas oficializam fusão em meio à crise

media Os presidentes da Nippon Steel & Sumitomo Metal Corp e da COO Hiroshi Tomono Unveil durante inauguração da fusão das empresas. REUTERS/Kim Kyung-Hoon

A fusão de duas das principais siderúrgicas japonesas foi oficializada nesta segunda-feira. A Sumitomo e a Nippon Steel juntas darão origem a segunda maior companhia de aço do mundo.

Cláudia Sarmento, correspondente da Radio França Internacional em Tóquio.

O objetivo da fusão é enfrentar a concorrência de rivais chineses e sul-coreanos, num mercado global que vem sofrendo transformações com a ascensão das economias emergentes. A união das duas empresas, anunciada no ano passado, forma um negócio de 22 bilhões de dólares.

O aço japonês é considerado de excelente qualidade, mas seus custos de produção são altos. A valorização do iene também atrapalha as exportações do Japão. Com a fusão, a nova companhia, que passa a se chamar Nippon Steel e Sumitomo, promete cortar custos e vai expandir suas bases de produção em países como Brasil, China, Índia e as nações do sudeste asiático.

A meta é produzir entre 60 e 70 milhões de toneladas do metal por ano. A fusão ocorre num momento difícil para o setor por causa da crise na Europa e da redução do crescimento chinês.

A Nippon era a maior siderúrgica japonesa e a Sumitomo, a terceira. A nova empresa, apesar de gigante, continuará bem atrás da número um do mundo, a Arcelor Mital, da Índia, que produziu 97 milhões de toneladas de aço em 2011.

 

 
O tempo de conexão expirou.