Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Imprensa destaca papel do "diretor de voo" na queda do AF447

media Resgate de pedaços da carcaça do Airbus da Air France no oceano Atlântico, no dia 8 de junho de 2009. Reuters

A imprensa francesa avalia hoje os resultados do relatório final sobre a catástrofe do voo AF447 da Air France, na rota Rio-Paris, publicado ontem pelo escritório francês de investigação para a aviação civil (BEA).

O diário Les Echos dá destaque às conclusões das investigações do BEA em primeira página, considerando que um novo elemento técnico importante foi revelado pelo relatório: a tripulação do Airbus A330 seguiu as instruções de um equipamento eletrônico, o diretor de voo, que continuou funcionando de forma intermitente e induziu os pilotos a erro.

Como revelou o relatório do BEA, os pilotos da Air France não entenderam o que aconteceu na cabine de comando. As sondas de medição de velocidade (Pitot) congelaram, o piloto automático desligou; na tentativa de estabilizar o avião, o piloto empinou o nariz da aeronave, porém a uma altitude muito elevada, o que levou à perda de sustentação, fato que a tripulação não percebeu. O BEA assinala que os pilotos continuaram a obedecer as ordens emitidas pelo diretor de voo, que mandava empinar o avião, uma manobra que se revelou fatal, destaca o Les Echos.

Libération ouviu as famílias das vítimas que estimam que o BEA carregou na responsabilização dos pilotos, mais do que nas falhas técnicas do Airbus A330, também constantes no documento. Familiares de vítimas francesas declararam que o relatório judicial que será divulgado no dia 10 é bem mais imparcial. Nesse domumento, que já vazou para a imprensa, os peritos criticam as autoridades de segurança aérea europeias que não impuseram a troca das sondas de velocidade, quando vários incidentes de congelamento das sondas Pitot já haviam sido notificados desde 2004 e esta foi a falha que deflagrou a sequência de panes na trágica queda do avião.

No diário Le Figaro, o presidente de uma das associações de vitimas, Robert Soulas, diz que o relatório do BEA não trouxe à tona nenhuma nova revelação. Soulas diz ter ficado decepcionado com a falta de críticas à ergonomia do Airbus no relatório e acrescenta que até hoje os familiares não conseguem aceitar a incompreensão dos pilotos diante dos incidentes técnicos ocorridos no cockpit.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.