Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

A cada 4 segundos aparece um caso de demência no mundo, diz OMS

media Cerca de 35,6 milhões de pessoas no mundo sofrem do Mal de Alzheimer. Getty image/Don Bayley

Os casos de demência, uma síndrome provocada principalmente pelo Mal de Alzheimer, poderá dobrar até 2030 e mais que triplicar até 2050 e atingir 115,4 milhões de pessoas no mundo, de acordo com um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) publicado nesta quarta-feira.

Atualmente cerca de 35,6 milhões de pessoas no mundo sofrem de demência, uma síndrome provocada por diversas doenças do cérebro que afetam a memória, o raciocínio, o comportamento e a aptidão para realizar tarefas cotidianas.

A doença de Alzheimer é a causa mais comum da demência, podendo representar 70% dos casos. “Temos que agir, nós devemos parar com essa epidemia”, disse Marc Wortmann, diretor da ONG ADI (Alzheimer Desease International) durante uma entrevista coletiva, em Genebra.

De acordo com o relatório da OMS - o primeiro dedicado à demência -, um novo caso da doença é detectado no mundo a cada 4 segundos. Em 2050, a previsão é de um novo caso a cada segundo.

Estimativas dos especialistas indicam que os custos para tratamento da doença cehgam a 304 bilhões de dólares por ano atualmente. O valor leva em consideração os gastos com saúde e assistência social bem como a redução ou perda de salário dos doentes e dos profissionais da área.

Segundo o estudo, todos os países registram a doença mas a maior incidência, 58%, é nos países mais pobres ou em desenvolvimento.Esta proporção pode ser superior a 70% em 2050 diante do aumento da taxa de  envelhecimento da população de países como China, Índia e Brasil, afirmou o diretor do departamento de doença mental e abuso de substâncias psicoativas da OMS, Shekhar Saxena.

“É um grito de alerta”, disse Saxena alertando os países mais pobres para criar políticas nacionais para enfrentar a doença. No relatório, a OMS recomenda às autoridades sanitárias a adoção de programas focados principalmente para reduzir a estigmatização da doença e melhorar a qualidade dos tratamentos.

Outro aspecto importante apontado pela Organização Mundial da Saúde é criar condições para melhorar o diagnóstico da demência e a formação dos profissionais para identificar precocemente a doença. Nos países mais pobres e em desenvolvimento, normalmente os casos são abordados quando a demência já está em estado avançado.

Atualmente a demência não tem cura mas alguns tratamentos permitem retardar o avanço da doença.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.