Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Estudo indica que anticancerígeno reverte Mal de Alzheimer em ratos

media O Mal de Alzheimer é um problema de saúde pública nos países com elevada taxa de idosos na população. IB

Um medicamento contra o câncer, o bexaroteno, restaurou rapidamente as funções cerebrais normais de ratos de laboratório que sofriam do Mal de Alzheimer, apenas 72 horas após o início do tratamento. Essa experiência bem-sucedida pode resultar no desenvolvimento de um tratamento para esta doença incurável e devastadora para os pacientes e seus familiares.

O estudo, realizado na faculdade de Medicina Case Western, em Cleveland, no estado americano de Ohio, demostrou que os ratos recuperaram a memória, o olfato e passaram a se comportar normalmente. O anticancerígeno bexaroteno fez desaparecer nos ratos até 75% das placas beta-amilóides, uma forma de proteína cujo acúmulo é uma das principais características patológicas do Alzheimer. A doença se desenvolve quando o organismo, em processo de envelhecimento, perde a capacidade de eliminar essas placas que se formam naturalmente no cérebro.

Um dos responsáveis pelo estudo, Paige Cramer, disse que este avanço "não tem precedentes". "Até agora o melhor tratamento existente em ratos de laboratório demorava vários meses para eliminar as placas amilóides". O próximo objetivo dos pesquisadores é verificar se o medicamento funciona da mesma maneira nos humanos. Os primeiros resultados de um teste clínico preliminar devem estar concluídos até o ano que vem.

O artigo está publicado na revista científica americana Sciense, datada de 10 de fevereiro de 2012.
 

 
O tempo de conexão expirou.