Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Strauss-Kahn se despede de seus ex-colegas de trabalho no FMI

media Dominique Strauss-Kahn chegando em sua casa em Washington neste fim de semana. Reuters

O ex-chefe do Fundo Monetário Internacional, Dominique Strauss-Kahn, visitou a sede do FMI nesta segunda-feira para se despedir de seus ex-colegas de trabalho. O francês, que teve seu processo de agressão sexual arquivado, havia dito que queria passar por Washington antes de voltar a Paris.

Dominique Strauss-Kahn chegou à sede do Fundo Monetário Internacional acompanhado de sua mulher, Anne Sinclair, no meio da tarde. Dirigindo seu próprio carro, ele entrou diretamente no estacionamento da instituição sem falar com a imprensa.

De acordo com uma mensagem interna do FMI, o francês havia avisado que faria uma visita pessoal à instituição nesta segunda para poder se despedir de seus ex-colegas de trabalho. “Todos os membros do pessoal que quiserem encontrá-lo poderão fazê-lo durante a tarde”, anunciou a direção do Fundo.

A imprensa não foi convidada, mas rumores divulgados durante o dia especulavam sobre um possível encontro do ex-chefe da instituição com a atual diretora-gerente do FMI, a também francesa Christine Lagarde. Strauss-Kahn renunciou a direção do Fundo após o escândalo sexual envolvendo da camareira Nafissatou Diallo, que o acusava de estupro.

Camareira poderá continuar no emprego

O grupo Accor, proprietário do hotel Sofitel, onde a camareira Nafissatou Diallo diz ter sido atacada por Dominique Strauss-Kahn, afirmou nesta segunda-feira que não pretende demitir a jovem. O porta-voz do grupo hoteleiro disse que por enquanto não há nenhuma intenção de rescindir o contrato com a camareira. “Estamos discutindo com seus conselheiros para saber o que ela quer fazer”, explicou o representante da Accor. Nafissatou Diallo ainda é empregada do hotel Sofitel, mesmo se ela não voltou ao trabalho há mais de três meses, desde que acusou o ex-chefe do FMI de tê-la estruprado em um dos quartos do estabelecimento.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.