Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 27/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 27/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 27/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 26/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 26/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 26/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/06 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

ONU celebra Dia Mundial da Ajuda Humanitária

media Centro da ONG Médicos Sem Fronteiras que acolhe refugiados na Etiópia, fronteira com a Somália. Reuters/Thomas Mukoya

Por que a ONU escolheu a data de hoje para assinalar o Dia Mundial da Ajuda Humanitária ? Em homenagem às pessoas que morrem ao levar socorro, principalmente em áreas em conflito, como foi o caso do atentado do dia 19 de agosto de 2003, à sede da ONU, em Bagdá, entre as quais morreu o brasileiro Sérgio Vieira de Mello, na época Alto Comissário da ONU para os Refugiados.

De Rui Martins, correspondente da RFI, em Genebra,

A idéia de se prestar assistência humanitária vem de longe, e uma antiga menção na nossa cultura ocidental está na parábola do samaritano, o socorro a uma vítima de violência. Mas a criação de uma primeira organização de ajuda humanitária é relativamente recente, ocorreu há 148 anos, em Genebra, quando um visionário suíço, Henri Durant, criou com alguns amigos um órgão destinado a ajudar os feridos em guerras e conflitos, a Cruz Vermelha Internacional que, nos países não cristãos, recebeu o nome de Crescente Vermelho.

Antes disso, existiam apenas ações filantrópicas religiosas isoladas. A Cruz Vermelha Internacional prestou grande ajuda nas duas guerras mundiais e nas últimas décadas surgiram Ongs laicas ou seculares destinadas a prestar ajuda às populações vítimas de miséria, fome e doenças. É o caso de Médicos sem Fronteira, criada por Bernard Kouchner, depois de ações junto aos “boat people” do Vietnã.

Nem sempre é possível ajudar, muitos bons samaritanos morrem ou são sequestrados, como ocorre no Afeganistão. Ou são impedidos de intervir, razão pela qual existe na ONU um Departamento de Questões Humanitárias , que ajuda e coordena no caso de catástrofes como foi o terremoto no Haiti e o maremoto na Ásia, mas igualmente agora na fome na Somália.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.