Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 20/11 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 20/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Novo presidente do Haiti toma posse com desafio de reconstruir o país

media Bastante popular, o ex-cantor Michel Martelly tomou posse neste sábado no Haiti. © Jim Watson/AFP

O novo presidente do Haiti, Michel Martelly, prestou sermão neste sábado na capital Porto Príncipe, em uma cerimônia realizada, em parte, às escuras, devido a um problema elétrico que deixou o local improvisado para a posse sem luz.

Bastante popular, Martelly, que recebeu a faixa presidencial das mãos do ex-presidente René Preval, foi eleito no dia 20 de março. Inexperiente em política, o ex-cantor, de 50 anos, terá como principal desafio governar o país mais pobre do mundo e relançar o processo de reconstrução do Haiti, devastado pelo terremoto de janeiro de 2010, que causou a morte de 250 mil pessoas.

O Haiti, que tem 10 milhões de habitantes, vive há 16 meses sob a sombra do tremor de terra, que deixou 1 em cada 7 habitantes sem moradia. O ritmo da reconstrução é lento e milhares de sobreviventes ainda vivem em tendas montadas em acampamentos provisórios em Porto Princípe ou ao redor da capital.

Em seu programa, o novo presidente prometeu criar um grupo de crise pós-terremoto e combater o desemprego entre os jovens.No plano político, Martelly terá que compor, para a escolha do primeiro-ministro com as forças parlamentares do país, já que seu partido somente tem três representantes no parlamento.

Ele também terá que levar em conta o peso simbólico do ex-presidentes, Jean-Bertrand Aristide e Jean-Claude Duvalier, que voltaram recentemente ao país, abrindo velhas feridas.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.