Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Força aérea francesa destruiu base militar histórica na Líbia

media Aviões de combate Rafale se preparam para decolar do porta-aviões francês Charles-de-Gaulle, enviado ao mar Mediterrâneo. Reuters/ECPAD/Marine nationale/Cyril Davesne/Handout

O chefe do Estado-maior das Forças Armadas da França, um dos países que lidera a coalizão internacional de intervenção na Líbia, confirmou que na madrugada desta sexta-feira um avião francês destruiu, com uma bomba guiada a laser, uma bateria de artilharia das forças leais a Kadafi que atacava a cidade de Adjabiya, a 160 km de Benghazi.

Segundo o almirante Edouard Guillaud, a força aérea francesa também destruiu ontem uma base militar histórica do regime de Kadafi localizada no interior do país. O ataque aéreo destruiu um depósito de munições, os serviços de manutenção e o centro de comando da base militar, considerada a segunda principal da Líbia. O almirante francês detalhou essas operações em uma entrevista concedida hoje à rádio pública France Info.

O chefe das Forças Armadas da França afirmou que o espaço aéreo líbio está sob controle e isso ficou comprovado após a destruição de um avião das forças pró-Kadafi, abatido por um caça francês, dez minutos depois de ter decolado de Misrata com o objetivo de bombardear a cidade.

Para o almirante Guillaud, a operação militar contra a Líbia poderá durar "várias semanas". Ele não acredita que a missão "possa durar meses". Guillaud descartou o cenário de um impasse militar, já que a solução para a crise líbia é política. Já o chanceler francês Alain Juppé afirmou ontem que a coalizão internacional, liderada pela França, a Grã-Bretanha e os Estados Unidos, irá prosseguir com bombardeios aéreos o tempo que for necessário.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.