Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/09 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Francês cruza o Canal da Mancha pelos ares em sua "máquina voadora"

media Franky Zapata decolou de Sangatte Sangatte com a sua "flyboard". DENIS CHARLET / AFP

A segunda tentativa foi a boa: o francês Franky Zapata, apelidado de "o homem voador", conseguiu neste domingo (4) a proeza de cruzar o Canal pelos ares em cerca de vinte minutos, em pé na sua "Flyboard" e depois de uma curta parada na metade do caminho, em um barco, para reabastecer essa máquina voadora com querosene.

Este homem de 40 anos de Marselha decolou às 6:16 GMT da praia francesa de Sangatte (norte) em um rugido ensurdecedor e sob os olhos de centenas de curiosos espantados, dez dias depois de seu fracasso.

Protegido por um capacete e vestido de preto, o ex-campeão mundial de jet-ski voou para a St. Margaret's Bay, no lado inglês, onde conseguiu chegar 22 minutos depois voando sobre o mar a 15-20 metros de altitude.

No caminho, "o homem voador" em um barco, em águas francesas, para trocar sua mochila, na qual ele armazena o querosene necessário para a alimentação de sua máquina voadora.

Ele então rumou para a costa britânica, onde desembarcou depois de ter percorrido os 35 km de estreito em sua máquina equipada com cinco mini-turbojatos que lhe permitiram decolar e evoluir até 190 k /h, com autonomia de cerca de dez minutos.

Ao chegar, Franky Zapata ergueu o punho em sinal de vitória e abraçou um membro de sua equipe que o parabenizou.

"Tudo correu bem, mesmo que fosse complicado (para reabastecimento)... A plataforma estava se movendo, então eu vi a Inglaterra se aproximando e tentei ter prazer em não pensar na dor que sentia nas pernas!", disse à imprensa logo após sua chegada, acolhendo o "trabalho em equipe".

"Acima das nuvens"

Zapata voou a 160-170 km/h quase ao longo de toda a travessia", segundo o velocímetro instalado em seu capacete.

O francês, que se disse "cansado" e agora "precisando de férias", já tem outros desafios em mente: terminar de fazer um "carro voador", mas também ser "o primeiro a surfar nas nuvens". ".

"Eu quero voar a 2.000 metros e voar acima das nuvens, esse é o próximo passo!", revelou. "Eu me sinto bem, feliz e com sorte!".

Após seu sucesso, Franky Zapata começou a chorar quando seu filho lhe disse no telefone: "Você é o melhor, papai!"

Durante sua primeira tentativa em 25 de julho, 110 anos depois do francês Louis Blériot, o primeiro aviador a cruzar o Canal da Mancha, Zapata saltou do mesmo lugar em sua prancha voadora, mas caiu alguns minutos depois em águas inglesas, depois de bater na plataforma do barco de suprimentos onde ele queria pousar.

Então, para esta segunda tentativa, Franky Zapata e sua equipe haviam optado por um barco maior e posicionado em águas francesas.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.