Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

França defende imposto mínimo mundial para multinacionais em reunião de ministros do G7

media O ministro da Economia e das Finanças, Bruno Le Maire (à direita), cumprimenta o presidente do Banco da Alemanha, Jens Weidmann, ao lado do presidente do Banco da França, Francois Villeroy de Galhau, em Chantilly. REUTERS/Pascal Rossignol

A França preside atualmente o G7 e promove nestas quarta (17) e quinta-feira (18), em Chantilly, a 49 km de Paris, uma reunião de ministros das Finanças do grupo, formado por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido. As ambições de Paris são grandes, segundo o jornal liberal Les Echos. O governo francês se deu como desafio tornar o capitalismo mais justo.

A cúpula de chefes de Estado e de Governo do G7 acontece no final de agosto, em Biarritz, mas essa reunião preparatória começa a debater uma grande reforma fiscal internacional, mais adaptada ao século 21. Em entrevista ao Le Figaro, o ministro francês da Economia e Finanças, Bruno Le Maire, defende que os países do G7 adotem um imposto mínimo para as multinacionais, "a fim de lutar contra a evasão fiscal que revolta os cidadãos". O Canadá e o Reino Unido resistem à adoção desse tributo.

Le Maire propõe uma alíquota de 13% a 15%, para evitar que as multinacionais transfiram seus lucros para paraísos fiscais ou países onde o nível de imposição é baixo. Essa tributação mínima faria toda multinacional pagar um imposto justo e colocaria fim à otimização fiscal agressiva. A França espera chegar a um compromisso político nessa área até o fim do ano, explica Les Echos.

Unilateralmente, a França acaba de aprovar um tributo de 3% sobre o faturamento das companhias digitais, direcionado principalmente ao Gafa, sigla para Google, Apple, Facebook e Amazon. Essas empresas pagam somas irrisórias na maior parte dos países europeus onde exercem atividades comerciais altamente lucrativas, graças a instrumentos de otimização fiscal. Mas a França é ameaçada de represálias pelos Estados Unidos por ter criado esse imposto.

Outros assuntos na agenda do G7 Finanças são o risco de ciberataques no sistema financeiro internacional e as novas moedas digitais, como a Libra, criada pelo Facebook. Para a França, nenhuma empresa privada do setor digital deve possuir uma moeda soberana.

O governo francês espera obter avanços na regulamentação do Big Data, o grande volume de dados – estruturados e não estruturados – que impactam os negócios diariamente, e nas regras de concorrência no setor digital. Os ministros do G7 discutirão ainda meios de dirigir os fluxos de capital para a chamada "finança verde", estímulo ao capitalismo sustentável nos países em desenvolvimento, promoção da igualdade entre homens e mulheres, e um menor endividamento dos países pobres.

Advogados apresentam propostas de respeito ao estado de direito

Pela primeira vez, associações de advogados dos países do G7 formularam 20 propostas para proteger o estado de direito, hoje ameaçado até nas democracias. Uma resolução conjunta foi elaborada pela categoria em um encontro realizado em Paris nos dias 11 e 12 de julho, e o documento será submetido aos líderes do G7 em agosto.

Alguns princípios defendidos pelos 1,8 milhão de advogados representados em Paris ecoam com questionamentos feitos atualmente no Brasil, como a independência da justiça, o indispensável direito a um processo igualitário, o respeito ao sigilo absoluto nas relações entre clientes e advogados, mesmo em casos de combate ao terrorismo.

O Japão propôs uma declaração comum contra a pena de morte, apesar de a legislação japonesa ainda admitir a pena capital. Mas os Estados Unidos se abstiveram.

Os advogados dos países ricos ainda incluíram na resolução medidas de respeito aos direitos humanos e a práticas comerciais responsáveis. Eles defendem ainda a realização de um debate internacional sobre a responsabilização dos governos na proteção do meio ambiente e do clima, por respeito às futuras gerações.

Os advogados americanos se recusaram a ratificar o artigo referente à utilização da inteligência artificial e dos algorítimos nos tribunais, alegando que já dispõem de uma legislação interna sobre esse tema.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.