Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/10 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Ministro francês que ofereceu jantares com lagostas e vinhos de € 500 pede demissão

media O ministro francês da Transição Ecológica e Inclusiva, François de Rugy REUTERS/Charles Platiau/File picture

O ministro francês da Transição Ecológica, François de Rugy, no centro de uma controvérsia sobre gastos excessivos, pediu demissão nesta terça-feira (16). O político ecologista afirmou que ele e sua família estão sendo "vítimas de um linchamento na mídia", após as revelações do site de informação Mediapart. De Rugy anunciou ainda que prestou uma queixa judicial por difamação contra o site que revelou o escândalo.

"Os ataques e o linchamento da mídia que minha família está passando me levam a tomar o recuo necessário – que todos poderão entender. A mobilização para que eu possa me defender faz com que eu não esteja em condições de assumir serenamente e de forma eficaz a missão que me foi confiada pelo presidente da República e pelo primeiro-ministro", escreveu De Rugy em um comunicado. Número dois do governo, ele deveria defender hoje no Senado um projeto de lei sobre energia e clima.

A queda de De Rugy começou na semana passada. No dia 10, o site Mediapart revelou que o político e sua mulher, Séverine, organizaram dezenas de jantares suntuosos "informais" com dinheiro público, no período em que ele ocupou o cargo de presidente da Assembleia Nacional, entre junho de 2017 e setembro de 2018. Nesses encontros, os convidados – empresários, acadêmicos, intelectuais e artistas – eram brindados com vinhos de até € 550 a garrafa e pratos à base de lagosta e outros crustáceos. Ele deixou o cargo para ser ministro da Transição Ecológica, mas, antes de se instalar no apartamento de função na sede do ministério, fez reformas que custaram € 63.000, pagos pelos contribuintes franceses. Essas revelações, após sete meses de crise dos "coletes amarelos", desgastaram a imagem do ministro e inviabilizaram sua permanência no governo.

Novas revelações

O jornalista do Mediapart e autor da reportagem, Fabrice Arfi, reagiu à demissão. O profissional afirmou que "a informação foi mais forte do que a comunicação". Depois da divulgação do caso, De Rugy chegou a afirmar em uma entrevista que não comia lagosta nem caviar porque era alérgico. "Mediapart apenas fez o seu trabalho e vai continuar a fazer", afirmou o jornalista.

O site publicaria nas próximas horas uma nova reportagem sobre as despesas de De Rugy enquanto ele era deputado. A publicação online chegou a escrever ao ministro nesta segunda-feira (15), solicitando esclarecimentos sobre a natureza de alguns gastos e deu prazo para ele apresentar as respostas até as 14h desta quarta-feira. Antes de vencer o prazo, De Rugy apresentou sua carta de demissão ao chefe do Governo, Édouard Philippe.

O presidente Emmanuel Macron aceitou a renúncia do ministro.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.