Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Ativista sueca Greta Thunberg pede maior empenho da mídia contra crise climática

media Longa entrevista no jornal Libération com a ativista sueca Greta Thunberg. ALEX HALADA / AFP

O jornal Libération traz uma longa entrevista nesta segunda-feira (15) com a ativista sueca Greta Thunberg, a jovem autista de 16 anos, líder do movimento estudantil mundial contra a crise climática. Greta fará um discurso na Assembleia Nacional francesa no dia 23 de julho e falou à publicação sobre seu ativismo e compromisso com a preservação do meio ambiente.

A jornalista Aude Massiot só obteve a entrevista depois de se comprometer a viajar para a Suécia de trem, já que uma das causas defendidas pela militante é diminuir o uso dos aviões no transporte. Depois de se encontrar com Greta, a jornalista do Libération garante que a sueca tem uma maturidade intelectual que impressiona, é muito segura a respeito de suas ideias e não parece ser manipulada, como dizem as más línguas.

Greta faz questão de se manter distante de organismos institucionais e partidos políticos, acreditando que o mais importante é levar a mensagem da urgência climática ao maior número possível de cidadãos. Segundo ela, a humanidade está diante de uma crise existencial inédita e muita gente ainda não sabe de fato o impacto que o aquecimento global terá em suas vidas em muito pouco tempo.

Greta considera que nenhum país no mundo faz o suficiente para minimizar a catástrofe à vista, mas nem por isso ela estima que os grandes eventos internacionais, como as conferências da ONU sobre o clima, sejam inúteis. Ela acredita que no momento em que as pessoas estiverem de fato informadas sobre a amplitude do problema, elas saberão reagir, como aconteceu com ela, com seus pais e com milhares de jovens que ouviram seu apelo e iniciaram o movimento global de mobilização nas escolas às sextas-feiras.

"Números são chatos, mas as pessos precisam conhecer", argumenta Greta

Aproveitando a entrevista, a jovem sueca diz que a mídia deve fazer muito mais pelo clima, exibindo com frequência bem maior do que faz atualmente os relatórios científicos e suas conclusões alarmantes. "São números que causam tédio em muita gente, mas a nossa sobrevivência depende deles", afirma.

"Não posso condenar quem não faz nada pelo planeta. Eles não fazem isso por maldade. Eles simplesmente não sabem o que está acontecendo", analisa Greta.

Questionada se é anticapitalista, Greta responde que presta muita atenção ao que fala e nunca utiliza essa palavra. Com firmeza, a adolescente reafirma que a única palavra que ela porta é a da ciência, utilizando os dados científicos disponíveis sobre o clima em suas ações.

"Nenhum movimento político ou ideologia, tal como se viu até hoje, é conveniente para o futuro, basta ver a situação planetária. Precisamos de algo novo", avalia.

Por indicação de parlamentares da Noruega, Greta concorre ao prêmio Nobel da Paz de 2019.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.