Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/10 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Reforma da Previdência foi aprovada não graças, mas apesar de Bolsonaro, escreve Le Monde

media Membros do Congresso e apoiadores do projeto de reforma da aposentadoria, celebram a votação durante sessão para votar o projeto de reforma da aposentadoria na Câmara dos Deputados em Brasília, Brasil, 10 de julho de 2019. REUTERS/Adriano Machado

O jornal Le Monde traz na edição deste sábado (13) uma reportagem sobre a aprovação da Reforma da Previdência no Brasil. Segundo o diário francês, o futuro sistema, crucial para as finanças públicas do país, deverá representar uma economia de €168 bilhões, em dez anos.

Depois de oito horas de debates acirrados e de um certo teatro por parte de alguns parlamentares, o presidente Jair Bolsonaro comemorou, em sua conta no Twitter, um grande dia. "O Brasil se aproxima cada vez mais do caminho do emprego e da prosperidade", escreveu o presidente.

O Le Monde lembra que o texto da reforma foi aprovado com maioria dos votos (379 contra 131) e que a medida tem o apoio de 47% dos brasileiros, segundo pesquisa Datafolha. O projeto ainda precisa passar por uma segunda votação na Câmara dos Deputados, antes do voto definitivo do Senado, esperado para setembro.

Segundo Alberto Ramos, diretor de pesquisa econômica para a América Latina do Goldman Sachs, ouvido pela reportagem, "não há o que comemorar, pois a reforma é positiva, mas não é excelente". " Ela mantém muitos privilégios e não passa de um remendo sobre um sistema falido", diz. De acordo com Ramos, daqui a cinco ou dez anos, uma nova reforma será necessária.

O Le Monde segue dizendo que o futuro do sistema de aposentadorias deve aliviar um país onde a dívida pública passa de 90% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo cálculos do Fundo Monetário Internacional (FMI).

A reportagem detalha as medidas, informando que o texto da reforma impõe uma idade mínima para a aposentadoria de 65 anos para os homens e de 62 para as mulheres, aliada a um tempo de contribuição variável de acordo com as profissões.

Segundo o jornal, a reforma foi apresentada como indispensável para a retomada do crescimento econômico e uma estratégia para acabar com privilégios exorbitantes. Porém, o diário lembra que o próprio presidente Bolsonaro se encontra no grupo dos corporativistas. Oficialmente candidato à reeleição em 2022, escreve Le Monde, o militar estaria mais de olho nos votos futuros do que nas próximas gerações. Depois de ter sido chamado de traidor pelas forças de segurança, o presidente passou a defender um regime preferencial para os policiais, diz a reportagem.

Essa categoria, lembra Le Monde, se junta a outras com regimes especiais, como militares, professores, trabalhadores rurais, servidores estaduais e municipais. No total, uma economia estimada de R$ 1 trilhão em dez anos foi revista para R$ 714 bilhões, segundo um órgão independente do Senado.

"Ainda há tempo de discutir honestamente meios de lutar contra privilégios e reduzir as desigualdades", escreve o escritor e economista Thomas Piketty, num artigo do jornal Valor, citado pelo Le Monde. "Mas prosseguir a Reforma da Previdência nas condições atuais fará do Brasil um exemplo mundial de destruição de um sistema de aposentadorias baseado na solidariedade para aumentar as desigualdades", completa o autor.

A reportagem encerra dizendo que a reforma não foi aprovada graças a Bolsonaro, mas apesar dele, conhecido, segundo o jornal Le Monde, como uma "fábrica de crises".
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.