Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

França dá pontapé inicial do Mundial de Futebol Feminino, o primeiro pós #MeToo

media A cerimônia de abertura contou com show da cantora Jain e a participação de acrobatas. REUTERS/Gonzalo Fuentes

Uma breve cerimônia marcou a abertura da Copa do Mundo de Futebol Feminino, que começou nessa sexta-feira (7) em Paris. Primeiro mundial feminino após #MeToo, o evento está sendo visto por muitos como uma vitrine do empoderamento feminino. A seleção francesa, que enfrentou a Coreia do Sul no primeiro jogo, venceu a partida por 4 a 0. 

A cerimônia de abertura, que durou apenas vinte minutos, contou com manobras da esquadrilha da fumaça e um show da cantora francesa Jain, que interpretou seus sucessos "Makeba" e "Gloria" e agitou o Parque dos Príncipes em uma noite ainda clara, apesar de muitas nuvens. Os organizadores temiam chuva na hora da festa, já que a tempestade Miguel, que se aproxima de Paris, provocou fortes ventos durante todo o dia.

A fan zone instalada na capital francesa chegou a ser fechada menos de uma hora antes do início da partida. “Em razão dos ventos fortes, o Village Fifa, assim como os jardins, parques e cemitérios ficarão fechados até segunda ordem”, tuitou a prefeita de Paris, Anne Hidalgo.

Mas isso não estragou a cerimônia dentro do Parque dos Príncipes, onde 48 mil pessoas assistiram o espetáculo, acompanhados do presidente francês Emmanuel Macron e a primeira-dama Brigitte, ao lado do presidente da Fifa, Gianni Infantino, na tribuna de honra.

Desigualdade salarial

Esse mundial vinha sendo marcada por uma série de reivindicações antes mesmo de começar. A falta de investimento na disciplina e a desigualdade dos salários das jogadoras com relação aos colegas da seleção masculina se tornaram temas sensíveis nessa Copa, a primeira pós #MeToo.

Fora do estádio, várias personalidades do mundo do esporte e da política, mas também da sociedade civil, multiplicaram declarações em favor da modalidade. Um colóquio internacional chegou a ser organizado em Paris para discutir a importância desse mundial. Uma das primeiras propostas lançadas foi a da criação de uma “liga mundial feminina das nações”.

Mundial conta com apoio da imprensa

Infantino tem grandes expectativas no evento. Pouco antes do pontapé inicial, o presidente da Fifa disse que espera que esse torneio ajude a “construir um futuro melhor, não apenas para o futebol feminino, mas para toda a sociedade.

O Mundial Feminino vem contando com um apoio importante da imprensa. Uma midiatização que já está dando frutos. Mais de 950 mil ingressos foram vendidos antes do primeiro jogo, celebrou o diretor do comité de organização (LOC), Erwan Le Prévost.

A partida inicial, entre França e Coreia do Sul, teve transmissão na TF1, o principal canal de televisão do país. A seleção francesa derrotou as adversárias por 4 a 0. 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.