Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

ONGs acusam empresários franceses de “estenderem tapete vermelho para extrema direita brasileira”

media Fazendo alusão à sede do ministério francês da Economia, o texto foi intitulado "Não deixemos Bercy estender o tapete vermelho para a extrema direita brasileira" Reprodução / Libération

Um coletivo de ONGs publicou nesta quinta-feira (30) no jornal francês Libération um artigo na qual contesta a presença de empresários brasileiros em um fórum internacional previsto para 5 de junho no ministério da Economia e das Finanças da França. O texto afirma que os participantes do evento são “representantes das elites patronais que apoiaram a campanha de Jair Bolsonaro” e pede o boicote do Fórum.

O fórum é organizado pelo Medef Internacional, o sindicato do patronato francês, e faz parte da programação oficial da Semana da América Latina e Caribe na França. Segundo os signatários do artigo, foram convidados empresários brasileiros, mas também “representantes da coalisão no poder, como o general Carlos Alberto dos Santos Cruz”, atual ministro-chefe da Secretaria de Governo da presidência do Brasil que, de acordo com o texto, “administra as privatizações das empresas públicas brasileiras”.

O artigo frisa que os organizadores do fórum apresentam o evento como um local de “oportunidades econômicas oferecidas pelo Brasil desde a chegada da extrema direita no poder, que implementa um programa de privatizações e quer abrir a Amazônia aos projetos industriais e a extração de minério”. Segundo o texto, “tal encontro significa especular sobre a desintegração da democracia no Brasil, a destruição dos recursos florestais e a violação dos direitos dos povos indígenas”. Para os signatários, os empresários franceses estariam “estendendo um tapete vermelho para a extrema direita brasileira”.

Inspirado no boicote de Nova York

A tribuna se inspira no movimento de contestação registrado este mês nos Estados Unidos, quando vários patrocinadores de um jantar de gala em Nova York, onde o presidente brasileiro receberia o prêmio de “Personalidade do Ano”, se retiraram do evento diante da pressão de ativistas. “Na mesma linha dos cidadãos nova-iorquinos, cuja mobilização permitiu a anulação de uma cerimônia em homenagem a Jair Bolsonaro, recusemos a realização no dia 5 de junho do VI Fórum econômico França-Brasil”, dizem os signatários.

O texto do Libération foi assinado pelas ONGs Act Up-Paris, Alerte France Brésil, Attac, Autres Brésils, Brasilien Initiative Berlin, CCFD-Terre Solidaire, Comitê dos amigos do Movimento dos Sem-Terra do Brasil, Comitê de solidariedade pelos Índios das Américas (CSIA-Nitassinan), Emmaüs international, Fibra (Frente Internacional Brasileiros contra o Golpe), Forschungs- und Dokumentationszentrum Chile-Lateinamerika (Berlim), France Libertés – Fundação Danielle Mitterrand, Planète Amazone, Rede europeia pela democracia no Brasil (RED.br), e US Network for Democracy in Brazil.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.