Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 13/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 13/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Femen protesta em Paris contra descaso do governo sobre feminicídio na França

media Militantes do grupo Femen escreveram em seus peitos nomes de mulheres francesas assassinadas. FRANCOIS GUILLOT/AFP

Militantes do movimento feminista Femen entraram nesta quinta-feira (30) no pátio do monumento Palais Royal, no coração de Paris, para "prestar homenagem" às 60 mulheres mortas desde o início do ano na França. As militantes denunciaram "a indiferença do governo" sobre o feminicídio no país.

Mostrando os seios nus, as ativistas se reuniram às 9h (6h de Brasília) e subiram nas Colunas de Buren no pátio do Palais Royal, em frente ao Museu do Louvre. Com punhos erguidos, gritaram frases como "Às mulheres assassinadas, a pátria indiferente", "Nenhuma a mais!" e "Parem com o feminicídio!".

Cada manifestante escreveu no peito o nome das 60 mulheres mortas na França desde 1° de janeiro deste ano e como cada vítima foi assassinada. "Gaëlle foi esfaqueada, grávida de 6 meses", "Josette foi morta a tiros", "Chantal foi espancada até a morte", "Céline foi empurrada da janela com seu bebê 3 meses", diziam algumas das mensagens.

Segundo uma das líderes do Femen, a ucraniana Inna Shevchenko, a ação serviu para "criar um panteão ao ar livre e homenagear as mulheres mortas". A militante também criticou a "indiferença do governo francês" sobre a questão.

A mobilização também tinha o objetivo de "sensibilizar a sociedade" sobre o fenômeno do feminicídio no país. "Se houvesse 60 vítimas do sexo masculino, imagine qual seria a reação", disse ela.

Uma vítima a cada três dias

Em 2017, 130 mulheres foram mortas por seus maridos ou ex-maridos, uma média de um assassinato a cada três dias. Além disso, todos os anos, quase 220 mil mulheres são agredidas por cônjuges ou ex-companheiros.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.