Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/09 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Cannes: Almodóvar faz declaração de amor ao Brasil e lamenta situação atual do país

media Pedro Almodóvar logo após entrevista coletiva em Cannes REUTERS/Eric Gaillard

O cineasta espanhol Pedro Almodóvar concorre à Palma de Ouro do Festival de Cinema de Cannes com seu mais novo filme, “Dor e Glória”. Em conversa com a imprensa na Riviera Francesa, o diretor falou sobre a trama, baseada em fatos de sua própria vida, mas também de suas fontes de inspiração, entre elas o Brasil. Ele teceu vários elogios aos brasileiros, mas lamentou o que qualificou de “etapa difícil” a fase pela qual o país atravessa.

Enviado especial a Cannes

Como manda o protocolo em Cannes, o diretor e o elenco, composto, entre outros, por Antonio Banderas e Penélope Cruz, concederam uma entrevista coletiva na manhã deste sábado (18), um dia após a projeção oficial do filme. Claramente autobiográfica, a história foi muito bem recebida. E mesmo se o festival não chegou nem na metade, há quem diga que o diretor tem chance de levar, pela primeira vez, a Palma de Ouro.

Durante a coletiva, Almodóvar falou do filme e de suas inspirações. Espontaneamente, disse que mesmo sendo espanhol, se sente “especialmente vinculado com a cultura brasileira”.

“A maior parte da música que escuto quando escrevo é brasileira. É a que mais combina com o ritmo do que estou escrevendo, sem me distrair muito”, contou.

O diretor afirma que conheceu o Brasil “pelas mãos de Caetano Veloso – com quem já colaborou no cinema – e sua mulher Paula (Lavigne), além de seus amigos, que são todos grandes cantores e artistas brasileiros”. No entanto, afirma que sua ligação com o país latino-americano é mais profunda. “Quando vi o Brasil pela primeira vez, já havia feito vários filmes. Me identifiquei tanto. Era como se, mesmo sem nunca ter estado ali, as cores que encontrei nos bairros brasileiros e na estética local fossem a mesma que eu reproduzia em meus filmes”, confessou.

“Espero que o povo brasileiro encontre a solução”

Para explicar, o diretor fez alusão à canção Presentimiento, de Chavela Vargas, na qual a cantora costarriquenha diz ‘antes de te conhecer, te adivinhei’. “Creio que foi algo assim que aconteceu comigo. Antes de conhecê-lo, o Brasil já havia me influenciado, na vibração de suas cores, com uma vitalidade que é quase histérica, pois é uma explosão em todos os sentidos”.

Além dos elogios, Almodóvar falou rapidamente sobre a situação atual do Brasil, um país que o impressiona não apenas visualmente, “mas também por sua cultura e o modo de vida dos brasileiros”. O diretor disse que “lamenta muitíssimo que o país esteja passando por uma etapa tão ruim. Espero que o povo brasileiro encontre a solução, mudando a direção do país”, concluiu.

“Dor e Glória” é um dos 21 filmes na disputa pela Palma de Ouro do Festival de cinema de Cannes, que vai até 25 de maio.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.