Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

150 carcaças militares submarinas são catalogadas nos 75 anos do “Dia D” na França

media Foto histórica de um desembarque norte-americano em Omaha, em 6 de junho de 1944. AFP PHOTO/HO

Tanques anfíbios, navios de guerra, blindados e vestígios de portos artificiais: os arqueólogos do Ministério da Cultura da França identificaram cerca de 150 carcaças de aparelhos militares submersos durante o célebre “Desembarque [das forças aliadas]”, disseram autoridades francesas nesta sexta-feira (3), a apenas um mês do 75º aniversário do “Dia D”, marco da virada contra os nazistas na Segunda Guerra Mundial.

Em Ouistreham (a mais oriental das praias do “Dia D”) a Sainte-Marie-du-Mont (a mais ocidental), "localizamos um total de 150 vestígios militares de 1944 ", disse Cécile Sauvage, arqueóloga do Drassm (Departamento de investigação arqueológica subaquática e submarina do Ministério da Cultura) responsável pela campanha de inventário lançada em 2015 como parte da candidatura das praias do famoso “Desembarque” ao patrimônio mundial da Unesco.

Estes restos incluem "17 navios de guerra, 62 de transporte ou comercialização de naufrágios (requisitados em 1944), 29 veículos blindados, dois portos artificiais e 24 outras carcaças espalhadas nestes portos" detalha Savage.

Em 2013, uma equipe do programa francês Thalassa, a quem o Drassm tinha disponibilizado um barco, havia identificado cerca de 400 destroços militares. Mas de acordo com Savage, esses "sinais" não haviam sido "verificados" pelo o radar multifeixe, realizado pela equipe do Drassm. A equipe também realizou cerca de 40 mergulhos para especificar o tipo de equipamento. "Por exemplo, para saber se é um tanque anfíbio ou não, muitas vezes não há mais hélices, mas existem suportes de mortores", explicou a especialista.

Navios de 150 metros de comprimento

"Os destroços mais bem preservados são aqueles que estão mais afastadas da costa. Perto da costa, eles foram demolidos após a guerra por empresas para recuperar o metal, e estes restos eram um problema para a navegação", disse Savage. Entre as maiores carcaças, o Drassm detectou navios, incompletos porque foram torpedeados, com cerca de 150 metros de comprimento, que transportavam tropas ou tanques.

A última pesquisa de carcaças do Drassm aconteceu de 8 a 26 de abril de 2019, a bordo do carro-chefe da arqueologia subaquática, o navio André Malraux, com 13 pessoas, incluindo 5 arqueólogos. A Unesco deve examinar em julho a candidatura das praias do “Dia D”. No dia 6 de junho de 1944, 6.939 navios aliados desembarcaram 132.700 homens e 20.000 veículos nas praias da Normandia, uma invasão que foi o início da derrota das tropas nazistas na França e no continente europeu.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.