Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/06 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/06 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

França registra recorde de suicídio de policiais

media O índice de suicídio entre os policias na França é 36% acima da média nacional. REUTERS/Gonzalo Fuentes

O número de suicídios de policiais não para de crescer na França. As más condições de trabalho são apontadas como causa possível, em um contexto que só piorou com as manifestações dos “coletes amarelos”. Os sindicatos da categoria organizam um protesto nessa sexta-feira (19) para alertar as autoridades sobre a situação.

Na manhã desta quinta-feira (18), uma policial de 48 anos foi encontrada morta em Montpellier, no sul da França. Algumas horas mais tarde, um policial de 25 anos foi encontrado morto em sua casa na periferia de Paris.

Desde o início deste ano, 28 agentes se suicidaram no país, contra 35 nos 12 meses de 2018. A morte dos dois policiais nessa quinta-feira foi a gota d’água para os agentes, que pedem para ser recebidos “urgentemente” pelo ministro do Interior, Christophe Castaner.

 “O plano de luta contra os suicídios na polícia deve se tornar uma causa nacional e ser decretado como uma prioridade”, pediram os sindicatos da categoria por meio de um comunicado. “Medidas fortes e imediatas devem ser tomadas”, insistem.

Os representantes também anunciaram a realização de um protesto na manhã dessa sexta-feira diante de suas corporações. Segundo eles, o objetivo principal é homenagear os colegas mortos desde o início do ano, mas também para pressionar o governo. “Os dias dramáticos se seguem a um ritmo insuportável e inédito”, declararam os sindicatos.

Na semana passada, o ministro do Interior prometeu a implementação rápida de um plano de combate aos suicídios, iniciativa que já havia sido anunciada por seu antecessor, Gérard Collomb. Castaner também anunciou a criação de um serviço de prevenção. O dispositivo conta com um número de telefone especial, disponível 24h, para que os agentes que enfrentam dificuldades em suas atividades possam ter um acompanhamento psicológico.

Mobilização dos “coletes amarelos” aumentou a pressão

Já em 2018 um relatório alertava para o aumento de casos de suicídio dentro da polícia francesa. Segundo o estudo, a categoria registrava um índice 36% acima da média nacional.

Os agentes apontam várias razões para explicar essa estatística, a maior parte delas ligadas às más condições de trabalho. Semanas sobrecarregadas e falta de material adequedos teriam contribuído para essa situação.

Mas a onda de protestos dos “coletes amarelos” teria piorado o contexto. O movimento, que começou como uma manifestação contra a alta do preço dos combustíveis e logo se tornou uma mobilização nacional contra a queda do poder aquisitivo, é fonte de stress para os policiais. Além da sobrecarga de trabalho, as passeatas realizadas todos os fins de semana desde meados de novembro são marcadas por confrontos violentos entre baderneiros e policiais.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.