Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/09 09h57 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Bombeira francesa se emociona ao descrever operação para salvar Notre-Dame

media Aos 27 anos de idade, Myriam Chudzinski é caporal chefe da Brigada de Bombeiros de Paris. Captura de vídeo France 2

Aos 27 anos, a francesa Myriam Chudzinski é membro da brigada dos bombeiros de Paris e fez parte da primeira equipe que chegou à Catedral de Notre-Dame após o início do incêndio, em 15 de abril. A estrutura do monumento foi salva graças a 14 horas de trabalho.

Chegando ao local do incêndio, que teve início no fim da tarde e destruiu parcialmente a emblemática catedral, a bombeira pressentiu que a operação seria longa. Foi a primeira grande missão de Myriam que, ao chegar ao local, subiu com cerca de dez homens no topo do monumento.

“Perto das chamas, a temperatura é de, no mínimo, 400C ou 500C”, explicou em entrevista ao canal France 2, que foi ao ar na quarta-feira (17).

Os bombeiros passaram cerca de uma hora no teto e presenciaram a queda da flecha que chocou o mundo todo. Entre eles estava a francesa. “É um barulho ensurdecedor. É como se uma escavadeira estivesse recolhendo pedras e jogando dentro de caminhão de lixo. É esse barulho multiplicado por dez”, explicou “Nossa ação foi limitada pelo contexto”, declarou.

A francesa conta que sentiu medo somente após a intervenção. “Se alguém tivesse me dito que eu iria participar de uma operação por conta de um incêndio na Notre-Dame eu nunca teria acreditado. Sinto orgulho, e esta será sem dúvida uma das operações mais marcantes da minha vida”, declarou, emocionada, a bombeira francesa.

Ação dos bombeiros foi fundamental para salvar estrutura

O incêndio na Notre-Dame durou mais de 14 horas, mas a estrutura da construção resistiu. Caso tivessem demorado mais “quinze minutos ou meia hora para dominar as chamas”, o prédio poderia ter ido ao chão, segundo o secretário de Estado de Interior, Laurent Nuñez. Na quarta-feira, os peritos estiveram pela primeira vez na parte superior do templo para dar início à investigação que vai determinar as causas do incêndio.

O papa Francisco agradeceu aos bombeiros envolvidos na operação. “A gratidão de toda a Igreja vai para aqueles que fizeram tudo que puderam, inclusive arriscando suas vidas, para salvar" a catedral, afirmou.

De acordo com o procurador de Paris, Rémy Heitz, as autoridades responsáveis pela investigação privilegiam a pista de um acidente "potencialmente ligado" às obras de restauração do teto. Cerca de 30 testemunhas, entre operários que trabalhavam na reforma do teto da catedral e agentes de segurança do local, foram interrogados na terça-feira (16) pela Brigada Criminal.

Vários dos tesouros da catedral foram salvos, como a Santa Coroa de espinhos, que a tradição católica diz que foi usada por Jesus Cristo na crucificação. O grande órgão da Notre-Dame também escapou das chamas, apesar de poder ter sofrido alguns danos.

Notre Dame acompanhou a história de Paris desde a Idade Média. Sob suas abóbodas, Napoleão foi coroado imperador em 1804, enquanto seus sinos anunciaram em 24 de agosto de 1944 a libertação da cidade do domínio nazista. Além disso, no seu interior foram realizados funerais de chefes de Estado como Charles de Gaulle e François Mitterrand.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.