Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 26/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 26/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 26/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 26/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Macron: União Europeia não pode ser “refém” da crise do Brexit

media O primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, à esquerda, e o presidente francês, Emmanuel Macron. REUTERS/Philippe Wojazer

O presidente francês, Emmanuel Macron, declarou nesta terça-feira (2), que a União Europeia não pode ser “refém” da crise do Brexit. Ele acrescentou que se o Reino Unido não apresentar “um plano alternativo sólido até 10 de abril”, Londres terá então “escolhido sair sem acordo”.

A declaração foi feita em Paris após visita do primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, com quem Macron discutiu os cenários de um Brexit sem acordo. “Nossa prioridade precisa ser o funcionamento correto da União Europeia e do mercado único”, disse o presidente francês. “A União Europeia não pode depender da resolução de uma crise política no Reino Unido a longo prazo”.

Em um discurso rígido, Macron reiterou que a rejeição, por três vezes pela Câmara dos Comuns, do documento negociado entre a União Europeia e a premiê Theresa May e a inexistência de um plano alternativo “leva ao caminho de uma saída sem acordo”.

“O Reino Unido precisa apresentar um plano alternativo, apoiado pela maioria, até o dia 10 de abril. Caso contrário, terá escolhido sair sem acordo”, insistiu o líder francês.

“Novas eleições, referendo, uma solução para as fronteiras? Não cabe a mim determinar isso, mas estamos abertos. Londres é que deve decidir e agora”, acrescentou.

Divórcio e contas do passado

“Temos que construir uma nova relação com o Reino Unido, que vai continuar sendo um amigo e aliado essencial. Mas não podemos passar os próximos meses discutindo as modalidades do divórcio e as contas do passado”, concluiu Macron.

O primeiro-ministro irlandês acrescentou que “ainda há tempo para a primeira-ministra britânica apresentar propostas”. Leo Varadkar fez um apelo para que Londres modifique seus limites e restrições.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.