Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Apesar de protestos, contrato bilionário é assinado entre França e China

media Xi Jinping e Emmanuel Macron selaram a compra de 300 aviões Airbus pela China Ludovic Marin/Pool via REUTERS

A China assinou nesta segunda-feira (25) um acordo para comprar da França 300 aeronaves da Airbus. O contrato foi selado durante a passagem do líder chinês Xi Jinping por Paris. Na visita, que foi marcada por manifestações de opositores, o presidente francês insistiu na importância do multilateralismo e pediu mais cooperação entre Pequim e a União Europeia.

Cercada por um forte dispositivo de segurança, com diversas estações de metrô e ruas fechadas, Paris recebeu o presidente chinês com toda a pompa de quem acolhe o líder de uma das potências mundiais. Nem as manifestações de militantes em defesa dos direitos humanos não parecem ter atrapalhado a esperada passagem de Xi Jinping pela capital francesa.

Desde domingo (24), quando o representante de Pequim ainda estava em Nice, opositores já protestavam em prol da causa tibetana diante da Torre Eiffel. Já nessa segunda feira, diversas organizações de ONGs reuniram cerca de 500 pessoas na capital, com cartazes em defesa das minorias, pedindo "justiça para os uigures" e o "fim do genocídio". Os grupos queriam que a questão dos direitos humanos fosse incluída nas conversas entre os presidentes dos dois países.

Opositores se reuniram diante da Torre Eiffel durante passagem de presidente chinês por Paris. REUTERS/Benoit Tessier

"Tivemos discussões francas sobre essa questão", disse o presidente francês após se encontrar com Xi em Paris, referindo-se a "preocupações (da França) e da Europa sobre a questão dos direitos fundamentais na China", acrescentando que ele havia abordado "vários casos individuais ".

Encomenda de 300 Airbus

No entanto, a reunião se concentrou principalmente em aspectos econômicos. E a compra das aeronaves, um dos momentos mais esperados da visita, foi concretizada.

A encomenda já havia sido anunciada em Pequim, durante um encontro entre os presidentes, em janeiro de 2018. Mas na época, os dois lados falavam apenas de 184 aviões A320s. Finalmente, 300 aparelhos serão comprados, dos quais 290 são de médio alcance (A320) e outros 10 são intercontinentais modelo A350.

"O fechamento de um grande contrato para a Airbus é um avanço importante e um excelente sinal (...) da força dos intercâmbios" entre China e França, declarou Macron na assinatura do contrato, em uma cerimônia no Palácio do Eliseu, sede da presidência.

A Airbus não revelou o montante que este acordo representa, mas o valor listado em 2018, o último divulgado pela fabricante, representaria mais de US$ 35 bilhões.

Diplomacia e multilateralismo

O encontro também foi a ocasião para falar de comércio internacional, em um contexto de tensão sobre os investimentos de Pequim no continente, mas também sobre as relações do país asiático com os Estados Unidos. Macron pediu uma "forte parceria Europa-China", acrescentando que isso deve ser baseado no "multilateralismo forte" e no comércio "justo e equilibrado".

Já Xi disse que "uma Europa unida e próspera se ajusta à nossa visão de um mundo multipolar". "A China sempre apoiará a integração europeia e seu desenvolvimento", acrescentou em comunicado à imprensa.

Na terça-feira, Macron e Xi terão um novo encontro, que também contará com a presença da chanceler alemã Angela Merkel e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, para explorar "pontos de convergência" antes de uma reunião UE-China em abril em Bruxelas.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.