Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/10 15h00 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/10 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

BEA extrai com sucesso informações das duas caixas-pretas do Boeing da Ethiopian Airlines

media Destroços do Boeing 737-800 MAX localizados perto de Bishoftu, na Etiópia. REUTERS/Baz Ratner

A Agência de Investigação e Análise para a Segurança da Aviação Civil Francesa (BEA) declarou neste domingo (17) que as informações contidas nas duas caixas-pretas do Boeing 737-800 MAX, que caiu no domingo passado (10) na Etiópia, puderam ser extraídas com sucesso. Um dos equipamentos contém as gravações do cockpit; o outro, os parâmetros de voo. A análise dos dados deve demorar várias semanas. A queda da aerovave da Ethiopian Airlines deixou 157 mortos.

Uma semana após a tragédia, centenas de pessoas participaram neste domingo (17) de uma homenagem póstuma a 17 vítimas etíopes da catástrofe aérea. Os caixões de oito tripulantes e de nove passageiros do Boeing 737-800 MAX estavam cobertos com a bandeira etíope, na cerimônia realizada na catedral da Santíssima Trindade da capital Addis Abeba. O aparelho, que seguia para Nairóbi, no Quênia, caiu seis minutos após a decolagem, matando ocupantes de 35 nacionalidades.

O jornal americano The New York Times revelou nesta semana que o piloto pediu permissão para retornar ao aeroporto de Addis Abeba três minutos após a decolagem. Porém, depois de receber a autorização da torre de controle, o aparelho subiu para uma altitude anormalmente alta e desapareceu dos radares. De acordo com as primeiras informações, o piloto teria relatado “dificuldades”, pedido para dar meia-volta e realizar uma aterrissagem de emergência.

Em menos de cinco meses, dois aviões 737-800 MAX, modelo da Boeing que estreou nos ares em 2016, caíram depois de decolar, levantando questões sobre a aeronave. Em outubro, uma aeronave do mesmo modelo, pertencente à companhia Lion Air, caiu na Indonésia, matando 189 pessoas.

Por medida de segurança, a maioria dos países que operam com esse modelo da fabricante americana suspenderam o uso de seus aviões até obterem esclarecimentos sobre o acidente.

Análise das causas exige tempo

Especialistas afirmam que, apesar dos dois acidentes terem acontecido em pouco espaço de tempo, ainda é cedo para tirar conclusões sobre possíveis falhas técnicas do fabricante.

Em entrevista à RFI Brasil, o ex-piloto da Air France e consultor em aviação Gérard Arnoux disse que existe a hipótese de o avião ter tido problemas para manter a altitude ou de um erro de pilotagem, mas a proximidade dos dois acidentes também pode ter sido “mera coincidência.”

O Boeing 737-800 MAX foi melhorado com um dispositivo automático que impede a perda de sustentação, ou “stall”. Isso significa que existe a possibilidade de o computador de bordo ter induzido o piloto a executar a manobra errada: “picar” o avião, ou seja, empurrar o nariz da aeronave para baixo em vez de “cabrar”, ou seja, empinar o aparelho após a decolagem. Em boa parte dos modelos da Boeing essa função é manual. “Mas ainda é cedo para tirar conclusões”, resumiu Arnoux.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.