Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Meios de comunicação franceses assinam pacto anti-sexismo e assédio sexual

media Depois de escândalos, meios de comunicação franceses assinam pacto contra sexismo e assédio sexual. REUTERS/Dado Ruvic/Illustration/File Photo

Vinte grupos de comunicação franceses assinaram nesta quarta-feira (13) uma carta de boa conduta contra o assédio sexual e o comportamento sexista nas redações. O documento surge semanas depois da revelação de um escândalo envolvendo vários jornalistas e comunicadores. Um grupo de profissionais da área conhecido como “Liga do LOL” assediava diversas minorias e principalmente mulheres jovens na internet.

France Televisions, Disney, TF1, Canal +, M6, Lagardere, Mediawan, Radio France, Havas e SFR, entre outros, assinaram, no Ministério da Cultura, esta carta elaborada pela associação "Pelas mulheres nos meios de comunicação". A fundadora da associação, Françoise Laborde, se disse contente que essas mídias "assinem um compromisso feminista" já que "durante anos o sexismo recorrente nas redações não chocou ninguém".

Os meios de comunicação que assinam o documento se comprometem a informar seus funcionários, criar um sistema de escuta e apoio às vítimas e a compartilhar suas melhores práticas. "Coletivamente, nós temos o dever de estar mais atentos, mais vigilantes em todas as empresas, especialmente nos meios de comunicação, porque isso está acontecendo diante de nossos olhos", disse o ministro francês da Cultura Franck Riester.

"As vítimas não estão mais sozinhas", prega o documento, que estabelece ainda que "elas não são julgadas, são ouvidas, os fatos não são minimizados, a confidencialidade é preservada e elas podem ser ajudadas sem serem ameaçadas profissionalmente."

Diversos relatos de assédio em redações

Uma pesquisa on-line realizada no início de março por grupos feministas revelou a existência de muitas violências sexistas e sexuais na mídia. A ação também coletou depoimentos anônimos. Casos na Europe 1, RMC e no Le Monde foram divulgados nos últimos dias.

Nesta quarta-feira, uma pesquisa realizada pelo jornal Libération mostra ainda a atmosfera sexista e misógina que prevaleceu durante anos na filial francesa do veículo norte-americano Vice.

Essas revelações acontecem pouco mais de um mês depois da divulgação da existência da auto-intitulada "Liga do LOL", um grupo online de profissionais de comunicação dedicado ao assédio de mulheres e minorias nas redes sociais. LOL, em inglês, quer dizer “Laughing Out Loud”, algo como “Rindo alto”, em português. 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.