Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/04 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Funcionários bloqueiam prisões na França após ataque contra agentes penitenciários

media Agentes penitenciários mobilizados na porta da prisão de Condé-sur-Sarthe, nesta quarta-feira 6 de março de 2019. JEAN-FRANCOIS MONIER / AFP

Na manhã desta quarta-feira (6), agentes penitenciários bloquearam pelo menos 18 prisões francesas, o que representa 10% das cadeias do país. O movimento de protesto acontece após a agressão de caráter terrorista ocorrida na terça-feira (5) em um presídio de segurança máxima de Alençon, na região noroeste. A polícia interveio para acabar com os bloqueios, mas o acesso a duas cadeias permanece obstruído pelos manifestantes.

Além de bloquear 18 das 188 prisões francesas nesta manhã, os agentes também realizaram operações tartaruga pontuais ou bloqueios parciais em outros estabelecimentos. O movimento de protesto afetou a penitenciária de Fleury-Mérogis, na periferia de Paris, a maior da Europa. A polícia interveio e o acesso ao local foi restabelecido.

Durante o dia, outras ações foram suspensas. Mas a mobilização continua pelo menos em duas prisões. “Este é um movimento ilimitado. A emoção é grande na categoria. Havia muito tempo que alertávamos a administração penitenciária que isso iria acontecer”, declarou a AFP Emmanuel Guimarães, delegado nacional do sindicato Força Operária (FO), na frente da cadeia de Condé-sur-Sarthe, onde ocorreu o ataque.

Ataque terrorista

Na terça-feira, a mulher de um detento condenado a 30 anos de prisão por sequestro seguido de morte, assalto a mão armada e apologia ao terrorismo, conseguiu entrar no presídio para visitar o marido com uma faca de cerâmica. O material passa despercebido pelo detector de metal.

O casal feriu gravemente a facadas dois agentes penitenciários aos gritos de "Allah Akbar" (Deus é grande em árabe). Durante a intervenção das forças especiais para desarmá-los, a mulher foi atingida e morreu. O marido dela, Michaël Chiolo, teve ferimentos leves e está sendo interrogado.

O ataque relança o debate sobre as condições de trabalho dos agentes penitenciários, principalmente porque o detento envolvido integrava uma lista de prevenção à radicalização terrorista. No entanto, ele não estava preso na ala criada especialmente para os detidos radicalizados no presídio de segurança máxima de Condé-sur-Sarthe. Ele foi inclusive autorizado a trabalhar e a receber a visita da mulher em uma unidade de convivência familiar.

A ministra da Justiça, Nicole Belloubet, reconheceu que “existem falhas” na gestão dos presos radicalizados e pediu uma inspeção para esclarecer as circunstâncias da agressão.

Controle de segurança insuficiente

Os agentes consideram ainda que o controle de segurança dos visitantes é insuficiente. De acordo com a legislação francesa, sem o alarme do detector de metal e o consentimento expresso dos visitantes, eles não podem ser revistados pelos policiais.

O ataque está sendo investigado pela Procuradoria antiterrorista. Segundo a Procuradoria de Paris, o detento alegou querer "vingar" o autor do atentado de Estrasburgo, Cherif Chekatt, que matou três pessoas e feriu outras dez no mercado de Natal, em dezembro.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.