Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Justiça francesa condena banco UBS a pagar multa bilionária por lavagem de dinheiro

media O banco UBS é a maior instituição financeira privada da Suíça. REUTERS/Arnd Wiegmann

O banco UBS, maior instituição financeira privada da Suíça e uma das maiores do mundo, foi condenado nesta quarta-feira (20) a pagar uma multa de € 3,7 bilhões por ter ajudado clientes franceses a retirar dinheiro do país e driblar o Fisco. Um tribunal de Paris condenou o grupo por prospecção ilegal de clientes e lavagem de dinheiro, agravada por fraude fiscal. Os advogados do banco anunciaram que vão recorrer da sentença.

Esta é a maior multa aplicada pela justiça francesa num caso de fraude financeira. A UBS AG, filial francesa do grupo suíço, foi condenada por cumplicidade nas mesmas acusações e deverá pagar uma multa de € 15 milhões. Além disso, o tribunal também determinou que a filial parisiense e três de seus ex-dirigentes paguem € 800 mil a título de juros e danos morais ao Estado francês.

O banco suíço foi acusado de ajudar milhares de contribuintes franceses a driblar o sistema tributário local, deixando de pagar os impostos devidos no país, entre 2004 e 2012. A instituição financeira se defendeu durante todo o processo, mas acabou condenada.

O tribunal parisiense acolheu a recomendação da Promotoria, destacando que as acusações são de "extrema gravidade, baseadas num modo de organização estruturado, sistêmico e antigo", explicou a presidente da Corte, Christine Mée.

Em novembro passado, seis ex-executivos ou diretores da filial francesa do grupo suíço também foram julgados. Cinco deles foram condenados a penas de prisão com surcis e ao pagamento de multas de até € 300 mil. Apenas um réu, Raoul Weil, ex-número 3 da filial UBS AG, foi inocentado porque ele não ocupava um cargo em conexão direta com a gestão do mercado francês.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.