Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

França: nove pessoas serão julgadas em processo da "Air Cocaína"

media Na madrugada de 20 de março de 2013, na pista do aeroporto de Punta Cana, a polícia dominicana descobriu 26 malas com drogas a bordo de um Falcon 50 alugado. ERIKA SANTELICES / AFP

Centenas de quilos de cocaína, ex-pilotos de combate voando em um jato privado, uma fuga rocambolesca da República Dominicana e 11 acusados: o julgamento do caso “Air Cocaína” começa nos tribunais franceses nesta segunda-feira (18), seis anos depois de uma captura espetacular no aeroporto de Punta Cana, com a apreensão de 680 quilos da droga.

O julgamento será realizado de hoje a 18 de fevereiro a 5 de abril na cidade francesa de Aix-en-Provence. Para este caso de tráfico internacional de drogas, não haverá júri, e sim uma corte especial, composta por cinco magistrados. Nove pessoas serão julgadas no processo e correm o risco de pegar até 30 anos de prisão.

Na madrugada de 20 de março de 2013, na pista do aeroporto de Punta Cana, a polícia dominicana descobriu 26 malas com drogas a bordo de um Falcon 50 alugado. O jato estava prestes a decolar para a França, via Açores. Quatro franceses, os pilotos Bruno Odos e Pascal Fauret e os passageiros Nicolas Pisapia e Alain Castany, foram detidos no aeroporto. Apesar de negarem envolvimento no tráfico, foram condenados pela Justiça dominicana, em 2015, a 20 anos de prisão.

Desde então, seus caminhos se separaram. Os pilotos conseguiram fugir clandestinamente para a França, pelo mar. Os interrogatórios destes dois ex-membros da força aeronaval e da Força Aérea, que não possuem antecedentes criminais, são os mais aguardados entre a centena de depoimentos e audiências de especialistas programadas para as sete semanas de julgamento.

Cartéis mexicanos

Alain Castany foi repatriado para a França por motivos de saúde. Nicolas Pisapia é o único que permanece na República Dominicana, sob controle judicial e com proibição de deixar a ilha. Ambos serão julgados posteriormente. Além do voo interceptado em Punta Cana, as autoridades investigam duas viagens transatlânticas realizadas quatro meses antes.

O "comportamento suspeito" dos passageiros do Falcon 50 havia intrigado a polícia francesa depois do primeiro destes voos, no discreto aeroporto de Saint-Tropez-La Mole, na Côte d'Azur.

Uma dezena de malas foram descarregadas discretamente e colocadas em dois carros, sob o olhar cúmplice do agente alfandegário François-Xavier Manchet, também acusado. Os investigadores acreditam que no topo da pirâmide estava Ali Bouchareb, 47, traficante francês condenado por tráfico de cocaína que teria pago "centenas de milhares de euros" para organizar os voos.

Embora negue envolvimento no caso, os investigadores consideram possível que ele fosse o comandante da rede criminosa de importação de cocaína produzida pelos cartéis mexicanos. Bouchareb, que por muito tempo foi protegido pelo silêncio dos outros réus, é o único que está em prisão provisória. Ele foi detido pela polícia espanhola no fim de 2014.

(Com informações da AFP Brasil)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.