Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/04 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

"Colete amarelo" tem mão arrancada durante protesto em Paris

media Segundo fontes no local, o ferido é um fotógrafo dos "coletes amarelos" que se encontrava em frente à Assembleia Nacional, em Paris. 09/2/2019 © Reuters / Gonzalo Fuentes

Um manifestante dos "coletes amarelos" teve sua mão arrancada durante os protestos deste sábado (9) em Paris, quando as forças de segurança lançaram uma granada para dispersar a multidão. Segundo as autoridades, ele se encontrava na altura da Assembleia Nacional, palco de confrontos com a polícia francesa numa manifestação que se desenrolava sem maiores incidentes até então. O homem recebeu os primeiros socorros dos bombeiros da Assembleia. 

Os médicos presentes no terreno identificaram a mão arrancada, uma cena que é também visível  nas imagens divulgadas pelo canal de Televisão Russia Today, o RT, segundo a agência de notícias AFP. Chamado de  “Ato 13”, o protesto dos "coletes amarelos" começou às 10h30 (7h30 em Brasília) em Paris, na frente do Arco do Triunfo.

De acordo com uma testemunha que filmou ao vivo o fim da cena, Cyprien Royer, o homem teve a mão arrancada por causa de uma "granada" lançada pela polícia, especial para dispersar manifestantes, enquanto os "coletes amarelos" tentavam destruir as barreiras de segurança que protegem a entrada da Assembleia Nacional.

Royer disse que a vítima é um fotógrafo dos "coletes amarelos" que estava tirando fotos das pessoas que empurravam as grades que protegiam a entrada do Parlamento.

"Quando os policiais quiseram dispersar a multidão, recebeu uma granada de dispersão na panturrilha. Ele quis dar um golpe com a mão para que não explodisse na perna, mas, quando tocou nela, explodiu", contou a testemunha.

"Nós o colocamos de lado e chamamos os 'street-medics'. Foi feio. Ele gritava de dor. Não tinha mais nenhum dedo. Não sobrou quase nada depois do pulso", afirmou. A polícia local confirmou que um manifestante "ficou ferido na mão" e foi auxiliado pelos bombeiros, sem dar mais detalhes.

Manifestações em várias regiões do país

Esta é a 13ª manifestação desde o início do movimento, agora enfraquecido depois de três meses nas ruas. Nos últimos dois sábados, a presença foi menor. Segundo o Ministério francês do Interior, 58.600 pessoas se mobilizaram em 2 de fevereiro. O movimento rejeita esse número e fala em 116.000 manifestantes.

Em Paris, centenas de pessoas chegaram à Champs-Élysées esta manhã, de onde seguiriam até a Torre Eiffel. "Não podemos nos render. Temos que ganhar para ter mais justiça social e fiscal neste país", disse Serge Mairesse, um aposentado de Aubervilliers, localidade próxima de Paris, que carregava um cartaz reivindicando o restabelecimento do imposto sobre fortunas. Essa taxa foi substancialmente reduzida pelo presidente francês, Emmanuel Macron.

"Este movimento expressa a autêntica raiva social neste país, as pessoas que nunca são ouvidas", afirma este homem de 63 anos, que participa de sua 11ª manifestação desde o começo dessa onda de protestos, em novembro passado.

Segundo uma pesquisa publicada na quinta-feira, dois em cada três franceses (64%) apoiam o movimento. Os manifestantes gritavam palavras de ordem contra a polícia. Os ativistas acusam os agentes de terem usado balas de borracha contra a multidão, deixando vários feridos.

Dois veículos blindados da Gendarmeria estavam estacionados em frente ao Arco de Triunfo, que foi atacado pelos manifestantes em 1º de dezembro.

No restante da França, havia manifestações previstas em Bordeaux e Toulouse, palco de confrontos nas últimas semanas. Também há mobilizações previstas para acontecer em Lille, Nantes, Rennes e Brest.

O movimento está provocando um importante conflito diplomático entre França e Itália, depois que Luigi Di Magio, líder do Movimento 5 Estrelas e número 2 do governo italiano, reuniu-se na última terça-feira com Christophe Chalençon, um dos líderes dos "coletes amarelos".

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.