Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/07 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Prostituição: Conselho Constitucional da França valida lei que pune clientes

Prostituição: Conselho Constitucional da França valida lei que pune clientes
 
Placa avisa: "clientes das prostitutas, você está sendo filmado", e lembra a lei que pune quem contrata trabalhadores do sexo. PHILIPPE LOPEZ / AFP

O Conselho Constitucional da França, instância jurídica que controla a legislação em vigor no país, decidiu nesta sexta-feira (1°) que os clientes da prostituição devem ser sancionados. A medida é uma resposta ao recurso lançado por associações, que consideram as multas aos clientes como uma forma de precarização dos trabalhadores do sexo.

Se prostituir não é ilegal na França. No entanto, desde os anos 1960, o país é signatário da Convenção pela repressão da exploração de seres humanos e a exploração da prostituição, um texto das Nações Unidas que visa proteger os trabalhadores do sexo. Desde então, o governo tenta restringir a prática da prostituição no país.

Em 2003, o governo adotou uma lei punindo as prostitutas que solicitassem clientes nas ruas. Em seguida, em 2016, o Parlamento francês adotou uma nova legislação. Segundo o texto, as sanções não recaíam mais sobre trabalhadores do sexo, e sim sobre os clientes.

No entanto, as associações de defesa contestaram a lei, alegando que as prostitutas teriam menos clientes e seriam ainda mais fragilizadas. Em novembro de 2018, um grupo formado por nove entidades, entre elas Médicos do Mundo e um sindicato que protege os trabalhadores do sexo, entraram com um recurso na justiça. Elas defendiam que a lei punindo os clientes feria o respeito à vida privada e à liberdade sexual que, segundo essas associações, é um direito constitucional.

Lutar contra exploração sexual

Mas o Conselho Constitucional, conhecido também como “conselho dos sábios”, não se convenceu pelos argumentos e decidiu manter a punição dos clientes, alegando que essa é a melhor maneira de lutar contra a exploração sexual.

De acordo com a lei, os clientes de prostituição têm que pagar uma multa de € 1.500 (mais de R$ 6 mil) se forem flagrados pela polícia. Caso sejam apanhados uma segunda vez remunerando relações sexuais, a sanção sobe para € 3.750 (mais de R$ 15 mil). Já o fato de contratar prostitutas menores pode levar a penas de três a sete anos de prisão, com multas de até € 100 mil (mais de R$ 400 mil).


Sobre o mesmo assunto

  • França

    Esquecidas pelo #MeToo, prostitutas protestam na França contra violência sexual

    Saiba mais

  • Primeiro festival destinado à discussão da prostituição acontece em Paris

    Saiba mais

  • França

    Mais de 6 mil adolescentes se prostituem na França, alerta associação

    Saiba mais

  • Prostituição

    Lei que pune clientes da prostituição aumenta violências contra profissionais do sexo na França

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.